CORREIO DAS ILHAS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Porto Novo: Criadores de gado com vales cheques amontoados em casa sem condições para adquirir ração 22 Abril 2018

Criadores de gado um pouco por todo o concelho do Porto Novo, Santo Antão, têm estado a amontoar os vales cheques em casa, por falta de condições financeiras para aquisição de ração para salvar os seus animais.

Porto Novo: Criadores de gado com vales cheques amontoados em casa sem condições para adquirir ração

A Inforpress soube que muitos criadores, por falta de rendimentos, não conseguem adquirir a ração, havendo casos em que há pastores com mais de uma centena de vales cheques amontoados em casa, sem condições económicas para poder adquirir a ração.

Esta foi uma das questões abordadas, esta sexta-feira, na Assembleia Municipal do Porto Novo, em que se debruçou sobre a implementação do plano de emergência de mitigação dos efeitos da seca e salvamento do gado neste município, com um efectivo pecuário de 24 mil animais.

O presidente da câmara, Aníbal Fonseca, admitiu a possibilidade de falta de rendimentos estar a impedir muitos criadores de adquirirem ração para o seu gado, considerando, no entanto, que apesar disso, “o plano, que começou em Dezembro, está a funcionar”.

Segundo o autarca, apesar dessa situação, os criadores já investiram, até agora, cerca de cinco mil contos na aquisição de ração, facto que demonstra que há criadores que estão conseguindo comprar a ração.

O Governo e a edilidade local comparticipam em cerca de 45% no custo da ração, segundo Aníbal Fonseca, informando que, mesmo havendo criadores sem rendimentos, a quantidade de ração que chega a Porto Novo tem estado aquém das necessidades.

“O plano começou a ser executado em Dezembro e, apesar das insuficiências, está a funcionar”, sublinhou o presidente da câmara do Porto Novo, que tem estado a defender a necessidade do reforço do plano, sobretudo na componente criação de empregos para que as famílias tenham rendimentos.

Até agora, foram criados cerca de 600 postos de trabalho no quadro do plano de emergência, com um período de vigência de 14 meses.

Segundo as autoridades locais, Porto Novo, pelas suas especificidades, merece “particular atenção” do Governo, numa altura em que o município, um dos mais extensos e áridos do país, começa a enfrentar o “período mais crítico” da seca. Fonte: Inforepress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade



Mediateca
Cap-vert

blogs

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project