AMBIENTE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Porto Novo: Moradores de Alto Mira conscientizados sobre a proteção das tartarugas e repudiam qualquer tipo de ilegalidade contra a espécie 11 Agosto 2021

Em época de desova de tartarugas, a Praia da Boca de Alto Mira, zona no interior do concelho de Porto Novo, por estes tempos tem recebido os visitantes noturnos, tartarugas, para la deixarem seus ovos. As marcas de manhã são notáveis, logo todo o cuidado é pouco. Os moradores da zona têm a plena consciência do quanto é importante proteger as tartarugas, por isso tentam sempre que possível e necessário, denunciar malfeitores.

Porto Novo: Moradores de Alto Mira conscientizados sobre a proteção das tartarugas e repudiam qualquer tipo de ilegalidade contra a espécie

O Asemana esteve a conversar com moradores da localidade de Alto Mira para saber como se têm posicionado sobre o aparecimento de tartarugas na praia desta zona.

Conforme Marcolino do Rosário, pai de família que desde os 7 anos frequenta a praia, foram raras as vezes encontrados restos de tartaruga por aquelas bandas, descartando neste momento a possibilidade de haver quem consome a carne da espécie.

Segundo a fonte, por ser uma zona pacata e com moradores unidos em momento nenhum foi necessário a intervenção de entidades policiais ou associações de defesa das tartarugas para tomada de decisões quanto a este assunto.

“Não é uma praia muito frequentada por tartarugas, mas ultimamente, por ser época de desova, de manhã encontramos rastros de tartarugas na areia que são sempre avistados de longe”, indica este morador que assegura que, o consumo da carne de tartaruga nunca foi hábito dos residentes de Alto Mira.

Márcio Rodrigues, jovem de 20 anos, que também cresceu ao redor desta praia diz que, esta região é mais frequentada no verão por poucas pessoas, principalmente por famílias, moradores dos arredores, grupo de amigos e por turistas que em outros tempos faziam uma paragem para apreciar o mar e a areia negra.

O jovem diz que este desapego pela carne de tartaruga deve-se, sobretudo, pela legislação que protege as tartarugas.

“Antes podia ouvir um ou outro caso de pessoas que consumiam tartaruga, mas agora as pessoas não fazem isso, por medo de serem presos ou pagarem multa, já que a lei protege as tartarugas”, observa Márcio que acrescenta que, hoje muitas pessoas já têm consciência que “é uma espécie que precisa ser protegida”.

Conforme adiantou o jovem, esta praia nunca foi monitorizada ou vigiada por entidades que protegem a espécie, mas as pessoas sempre colaboram e fazem a sua parte.

“Já houve muitos casos de tartarugas que vieram enroladas a rede durante a pesca”, aponta a fonte e, completa, “nós os moradores sempre exigimos que fossem devolvidos ao mar, caso contrário eram denunciados”.

De salientar que várias são as entidades ligadas à proteção de tartarugas que têm agido durante o ano para preservação e segurança das espécies no país.
Recorde-se que, o Projeto Tartaruga Boa Vista já registou 31.631 ninhos de tartaruga em 66 quilómetros de praia, desde o inicio da campanha de desova de tartarugas em Maio, e até 31 de Julho.

AC/Redação

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project