SOCIAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Porto Novo: Ordem dos Capuchinhos “muito presente” a nível social há mais de 60 anos – custódio 18 Julho 2022

A Ordem dos Frades Capuchinhos, desde que chegou a Porto Novo, na ilha de Santo Antão, em 1961, tem estado “muito presente” nível social, com acção em áreas como habitação e educação.

Porto Novo: Ordem dos Capuchinhos “muito presente” a nível social há mais de 60 anos – custódio

Segundo a Inforpress, as declarações foram feitas este domingo, na Ribeira das Patas, interior do Porto Novo, pelo frei Matias Silva, o custódio da Ordem dos Capuchinhos em Cabo Verde, que destacou ainda a intervenção desta organização no apoio às famílias a nível de gêneros alimentícios e vestuários.

Na vertente educação, o custódio da Ordem dos Capuchinhos de Cabo Verde, que falava durante uma conferência para assinalar os 75 anos desta deste ramo da família franciscana em Cabo Verde, referiu-se à construção de um jardim infantil na cidade do Porto Novo, com cerca de duas décadas de funcionamento.

Os capuchinhos actuam também no pré-escolar no Tarrafal de Monte Trigo.

No domínio da habitação social, esta organização, que tem São Francisco de Assis como fundador, ajudou a amenizar os problemas existentes a esse nível através de apoios às famílias, sendo “o caso exemplar” a construção do bairro habitacional de Chã de Itália, na cidade do Porto Novo.

Conforme a mesma fonte, este bairro foi construído há cerca de 40 anos para abrigar as famílias que viviam nas grutas de pozolanas.

Além da evangelização, os Capuchinhos têm, ao longo dos 61 anos no Porto Novo, actuado também na vertente social, aérea em que têm “estado muito presente” no apoio às famílias, na habitação e na educação”, notou.

“Desde que chegamos em Porto Novo, estivemos preocupados com os aspectos social, cultural e religioso”, concluiu.

Os franciscanos capuchinhos, prisam a Inforpress, criados no século XVI da Itália, chegaram a Cabo Verde em 1947, a pedido do então bispo da Diocese de Cabo Verde D.Faustino, numa altura em que a Igreja Católica “necessitava de ter mais padres para responder aos desafios pastorais, espirituais e humanos” no arquipélago.

Em Santo Antão, os padres capuchinhos chegaram em 1961, dispondo a ilha nesta altura de quatro missionários, que se encontram todos nas duas paróquias situadas no Porto Novo.

Em Cabo Verde, além de Santo Antão, os capuchinhos estão ainda em São Vicente, São Nicolau, Santiago, Fogo e Brava.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project