LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Portugal: Agentes da PSP têm 180 dias para remover tatuagens de teor "racista e partidário" 30 Setembro 2020

Os agentes da PSP-Polícia de Segurança Pública têm seis meses para remover tatuagens racistas e partidárias, avisa um despacho do Ministério da Administração Interna, divulgado na sexta-feira, 25.

Portugal: Agentes da PSP têm 180 dias para remover tatuagens de teor

As regras mais recentes fixadas aos agentes da PSP — segundo o despacho sobre as "normas relativas ao aprumo, apresentação e uso de uniforme" — obrigam-nos a remover as "tatuagens com símbolos, palavras ou desenhos de natureza partidária, extremista, racista ou que incentivem à violência".

O despacho com data de terça-feira, 22, e a que a Lusa deu divulgação na sexta-feira, proíbe este tipo de tatuagens "em qualquer parte do corpo" e refere que os profissionais que as tenham devem removê-las no prazo máximo de 180 dias.

A nota refere ainda que qualquer candidato ao concurso de admissão da PSP que tenha tatuagens proibidas será excluído do concurso, "exceto aqueles que manifestem intenção de as remover até ao final do concurso".

O comunicado refere ainda que concluído o concurso de admissão, todo o candidato que tiver ainda este tipo de tatuagens proibidas será automaticamente excluído do concurso.


Partido de Ventura e racismo de forças da ordem reforçam-se mutuamente

O partido que na sua primeira candidatura conseguiu colocar o seu líder no parlamento — meses depois da sua fundação na primavera de 2019, por André Ventura, candidato derrotado do PSD nas Autárquicas anteriores — tinha no seu programa lutar para que cheguem "à polícia e às forças armadas todos os recursos materiais" para a sua atuação.

André Ventura, recorde-se, foi o primeiro que se manifestou candidato à presidência da República na eleição de janeiro de 2021.

Sem surpresa, Ventura mantém o tom das mensagens de cariz racista dirigidas aos seus adversários.

Viu-se no sábado, 26, no seu primeiro comício em Coimbra quando disse que o primeiro-ministro António Costa — de ascendência goesa por parte do pai — "é um tipo desagradável com ar de Pai Natal indiano".

Fontes: Referidas. Foto: CBC.ca.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project