LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Portugal: Extremistas e vacino-céticos juntam-se — Influência má das redes sociais 01 Abril 2021

Os movimentos anti-vacina, que existem nos países mais desenvolvidos desde o início da imunização no século XIX, ganharam em 2020 maior projeção e organização com a sua aproximação aos novos movimentos da extrema-direita. Portugal não é exceção, como mostra o RASI-Relatório Anual de Segurança Interna elaborado pelo SIS-Serviço de Informações de Segurança hoje divulgado.

Portugal: Extremistas e vacino-céticos juntam-se — Influência má das redes sociais

Durante a pandemia, e perante as medidas restritivas impostas pelas autoridades de saúde e o governo, houve um aumento das "ameaças híbridas", que utilizaram "operações de informação/desinformação e de campanhas de influência/ingerência, com o objetivo de afetar a confiança das opiniões públicas e de prejudicar a tomada de decisão dos Governos".

O relatório descreve a ligação entre os grupos de extrema-direita dos diferentes países europeus, que se têm consolidado ao longos últimos anos. Nota-se o crescente envolvimento de "movimentos inorgânicos", por vezes com ligações de índole ultranacionalista, e que aproveitaram a pandemia em curso para criar "narrativas conspiracionistas".


Em casa maior exposição a redes

As redes sociais têm sido o palco preferencial para extremistas e negacionistas da Covid-19, o que leva o SIS a alertar para possível radicalização de jovens em tais plataformas, cujo tráfego aumentou pelo confinamento que ditou um maior período de estadia em casa e mais tempo na internet.

A nova situação pandémica fez aumentar o número de mensagens que lançam dúvidas em relação à eficácia das medidas tomadas pelos diferentes governos. Entre os temas mais destacados está o da necessidade da vacinação.

Nova oportunidade para extremismos políticos

Os movimentos radicais de extrema-direita têm vindo a disseminar conteúdos de propaganda e desinformação digital, com vista a aumentar as suas bases de apoio, galvanizar os sentimentos antissistema e a reforçar a radicalização com base xenófoba

Segundo o RASI, os extremistas usam um "discurso apelativo da violência e do ódio, num momento em que a sociedade portuguesa é, também, confrontada com fenómenos de polarização ideológica".

Sobre a "militância de rua", notam as secretas o aparecimento de um novo grupo de extrema-direita, o ’Resistência Nacional’, responsável pelos protestos junto à associação SOS Racismo. É ainda referido o exemplo do grupo Ordem de Avis, que ameaçou deputadas e militantes antifascistas e antirracistas.


Portugal alvo de ciberpirataria

O RASI dá conta de ciberataques feitos por estrangeiros a Portugal. De acordo com o relatório, os principais alvos revelam que as ações de espionagem tiveram como principal alvo o Estado.

Segundo o RASI, houve um aumento da espionagem através de ameaças persistentes, avançadas tecnologicamente e direcionadas a importantes centros de informação do Estado português.

A origem dos ataques foi, sobretudo, proveniente do Brasil e do continente africano.
Dois dos ataques foram públicos e visaram as empresas EDP e Altice, com grupos internacionais a pedirem resgates de milhões de euros.

Fontes: TVI/Sites institucionais.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project