DIÁSPORA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Portugal: Prisão preventiva para avô cabo-verdiano suspeito de matar à facada neta de 7 anos em Vialonga 22 Mar�o 2023

Crime ocorreu na semana passada. Tribunal optou por aplicar ao suspeito ( cabo-verdiano Olegário Borges) a medida de coação mais gravosa.

Portugal: Prisão preventiva para avô cabo-verdiano suspeito de matar à facada neta de 7 anos em Vialonga

Segundo a Lusa, o avô, suspeito de matar a neta de sete anos em Vialonga (ver foto), no distrito de Lisboa, ficou sujeito à medida de coação mais gravosa, prisão preventiva, a cumprir num Hospital Prisional, segundo informou o tribunal de Loures.

Conforme a informação do Tribunal Judicial de Loures da Comarca de Lisboa Norte, após o primeiro interrogatório judicial, o arguido ficou sujeito "à medida de coação de prisão preventiva, a cumprir em Hospital Prisional".

O tribunal entendeu "estarem verificados os perigos de continuação da atividade criminosa e o perigo de perturbação grave da ordem e da tranquilidade pública".

Uma fonte do Tribunal de Loures adiantou à agência Lusa que o arguido optou por se remeter ao silêncio no interrogatório.

Recorde-se que o crime teve lugar na madrugada da passada terça-feira, 14 de março. À Lusa, a porta-voz da GNR Mafalda Gomes de Almeida confirmou que a criança coabitava com o avô, de 69 anos, e a mãe, não sendo conhecido "contexto de violência doméstica".

Depois de cometer o crime, com recurso a uma arma branca, o homem tentou o suicídio, sem sucesso, tendo sido transportado para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

Já o 2.º Comandante dos Bombeiros Voluntários de Vialonga, Gonçalo Guiomar, explicou, na altura, que a criança estava em estado grave à chegada dos serviços de emergência, mas não resistiu aos ferimentos, tendo sido o óbito declarado no local.

À TVI, o irmão do suspeito revelou que o crime apanhou toda a família de surpresa, uma vez que o homem eram muito apegado à neta e uma pessoa querida entre todos.

Segundo ainda a Lusa, o internamento hospitalar do arguido implicou que o interrogatório judicial só esta ter;a-feira se tenha concretizado.

Dada a natureza do crime (homicídio), a investigação foi entregue à Polícia Judiciária, revela a fonte deste jornal.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project