DIÁSPORA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Portugal: Sociedade Cabo-verdiana de Autores homenageia escritora Carlota de Barros em Lisboa 06 Novembro 2022

A Sociedade Cabo-verdiana de Autores (SOCA) homenageou, em Lisboa, na noite de sexta-feira, 04, a escritora cabo-verdiana Carlota de Barros, residente em Portugal, que nesta edição foi capa da revista “Soca Magazine”.

Portugal: Sociedade Cabo-verdiana de Autores homenageia escritora Carlota de Barros em Lisboa

A homenagem aconteceu na sede da Associação Caboverdeana de Lisboa (ACV), que foi parceira da SOCA nesta homenagem, e foi seguida de um jantar dançante com música ao vivo, interpretada por Zezé Barbosa.

Carlota de Barros, que contou que sua paixão pela poesia, começou ainda criança, quando lia os poemas, disse estar “muito feliz” com a homenagem e edição da revista “Soca Magazine”.

O meu coração está muito feliz, estou muito emocionada com a homenagem, porque reconheceram em mim a poeta que dizem que sou e o meu trabalho (…). Neste momento estou a terminar duas obras e espero estar convosco em breve, sem as restrições da pandemia”, perscpectivou.

Carlota de Barros, conhecida como “Lilica” pelos seus amigos, nasceu na ilha do Fogo em 24 de Janeiro de 1942. É filha de Hermano de Pina e Ana de Barros, o par romântico da ilha da Brava que inspirou o poeta Eugénio Tavares a compor a morna “Força di Cretcheu”.

Durante a infância viveu nas ilhas do Fogo, Brava, São Nicolau e São Vicente. Em 1949 mudou-se com a família para Moçambique, onde permaneceu até 1957, ano em que partiu para Portugal.

Neste país licenciou-se em Filologia Germânica, na Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa. Mora em Portugal desde 1974, mas visita constantemente o seu país todos os anos, com excepção desses dois últimos, por causa da pandemia da covid-19.

Em 2000, lançou o seu primeiro livro de poesia, “A ternura da água”, em 2003 publicou “A minha alma corre em silêncio”. No ano de 2007, a Biblioteca Nacional editou o seu livro de poesia “Sonho sonhado”, que é reeditado em 2008, numa edição trilingue (crioulo, português e inglês), a primeira edição trilingue publicada em Cabo Verde.

Depois veio “Na pedra do tempo”, e em prosa, publicou o romance “Luna – A noite de todos os dias”, e o livro de contos “Os lírios da memória”, seguido de “Sol de infância – Memórias das macias manhãs solares”, em 2020, editada por Rosa de Porcelana, para além de participar em várias antologias de poesias e revistas culturais.

Presentes na cerimónia, estiveram presentes o presidente da SOCA, Danny Spinola, e a presidente do Conselho Directivo da ACV, Filomena Vicente. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project