LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Portugal: ’Vizinhos à janela’ recebe prémio europeu da solidariedade 19 Fevereiro 2021

"Vizinhos à janela" nasceu como mera serenata, duas vezes ao dia, para animar o bairro durante o primeiro confinamento em Portugal. Depois estendeu-se, passou a incluir outras ações , organizaou-se em iniciativa solidária. Recebeu nesta segunda-feira, 15, o prémio ’Solidariedade Civil’ do Comité Económico e Social Europeu (CESE) na categoria ’ofertas culturais’.

Portugal: ’Vizinhos à janela’ recebe prémio europeu da solidariedade

A iniciativa espontânea de vizinhos começou, há onze meses, com concertos duas vezes ao dia, para "encher os corações nas horas vazias" do confinamento em Portugal.

Em pouco tempo, o "Vizinhos à Janela" virou solidariedade mais ampla para incluir as homenagens aos "trabalhadores da linha da frente" e o apoio às pessoas que "enfrentam necessidades urgentes durante a pandemia".

Esta semana, o movimento "Vizinhos à Janela" é premiado como "um exemplo brilhante de notável responsabilidade cívica e solidariedade durante a crise da Covid-19".

Onze meses decorridos, os dois ’concertos de varanda’ já não se realizam com a regularidade anterior, de dez minutos cada por dia. Mas a recolha de alimentos continua.

O CESE, órgão consultivo da União Europeia e que representa a sociedade civil europeia ao nível da UE, selecionou o "Vizinhos à janela" como o melhor candidato português ao Prémio, afirmando que o seu projeto constituiu um exemplo brilhante de notável responsabilidade cívica e solidariedade durante a crise da Covid-19.

Prémio europeu enaltece solidariedade

O "Vizinhos à janela" foi anunciado como um dos 23 laureados, um por país-membro da UE, numa cerimónia de entrega virtual de prémios. Cada vencedor recebeu um prémio no valor de dez mil euros.

Na entrega dos prémios, o vice-presidente do CESE responsável pela Comunicação, Cillian Lohan, declarou: "O CESE tem salientado repetidamente que a solidariedade e a ação conjunta direcionada são essenciais para sobreviver a uma pandemia deste tipo. A única resposta eficaz a uma crise como esta pandemia é agir com rapidez, de forma decisiva e em conjunto. Há ensinamentos a tirar desta situação para lidar com outras crises, sejam elas sociais, económicas ou ambientais.

«A sociedade civil tem estado na vanguarda de todas as ações de solidariedade e, sem a sua ajuda no terreno, o preço a pagar por esta pandemia teria sido muito mais elevado. Todos os projetos recebidos são a prova do empenho altruísta dos cidadãos e do nível local, o que comprova que o contributo da sociedade civil nesta luta é enorme. Com este prémio, reconhecemos as pessoas e as organizações que fazem a diferença nestes tempos sem precedentes. É uma honra poder celebrar em conjunto».

’Ofertas culturais’ atenua fragilidades

O "Vizinhos à janela" foi reconhecido na categoria de "ofertas culturais" — inovação que o CESE instituiu em julho. Esta categoria agrupou "projetos que desempenharam um papel fundamental na atenuação dos efeitos da pandemia, de várias formas criativas e originais".

Os projetos podem até não ser sustentáveis a longo prazo, reconhece o CESE, mas ajudaram a compensar muitas fragilidades, sobretudo psicológicas, na fase mais crítica da pandemia.

Toca, toca até chegar a seis mil quilos de alimentos

O movimento espontâneo de vizinhos — que confinados se juntaram para aliviar o tédio e a solidão da vida em casa numa tocatina com hora marcada — ganhou a rua, primeiro foi uma rua, depois outra e outra. Cinco ruas do bairro.

O bairro saltou para os noticiários. A cada nova ação, como a homenagem musical , em reconhecimento do trabalho de médicos, enfermeiros, polícias e cantoneiros.

Da sociedade civil para o município: a Câmara Municipal de Oeiras contactou os residentes e convidou-os "a aproveitar este espírito de solidariedade para recolher alimentos para os necessitados".

Cada prédio na rua escolheu uma pessoa responsável pela recolha de alimentos, a ser feita junto dos vizinhos. A ação continua, as doações são entregues a várias associações que trabalham com grupos vulneráveis.

Empresas locais, mercearias e restaurantes também têm contribuído. Em média, foram doados 700 artigos por semana, e vários residentes iniciaram atividades de voluntariado, com carácter permanente, junta dessas associações. Neste momento, a ajuda alimentar já atingiu as seis toneladas.

Fontes: DN/EESC.eu/CESE.org. Foto: Vizinhos à janela, em concerto às 14H e às 18H no bairro dos Arcos em Oeiras. E foi só o começo.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project