DESPORTO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Português ex-selecionador ’amante’ de Angola rejeita voltar: "Muito lixo e corrupção" 29 Abril 2021

"Não aceito trabalhar em Angola nem que fosse para ser Presidente da República", disse em entrevista à SIC o ex-selecionador de Angola, o algarvio Manuel José, de 75 anos, que em 2010 deixou os ’Palancas’.

Português ex-selecionador ’amante’ de Angola rejeita voltar:

Esta terça-feira, 27, a SIC voltou a evocar o que dizia há treze dias, por ocasião do seu septuagésimo-quinto aniversário, Manuel José, "o treinador vivo com mais jogos na Primeira Liga".

O antigo treinador Manuel José disse que não volta mais a trabalhar em Angola, "mesmo que fosse para ser Presidente da República". Motivo: "Muita desorganização no país e corrupção generalizada".

O maior país da África lusófona além de ser "muito desorganizado, tem uma rede sanitária muito deficiente, há muito lixo na cidade de Luanda, tu não consegues respirar".

Outra razão apontada pelo treinador português é a "corrupção institucionalizada": "Eu era obrigado a convocar jogadores pernas de paus porque eram filhos dos dirigentes de Angola".

Federação Angolana de Futebol é "das piores do mundo"

"Até água para os jogadores beberem compram na rua nas embalagens. Ao fim e ao cabo, trabalhar em Angola é um inferno", afirmou na recente entrevista à SIC.

Repercussão nos media angolanos

As considerações proferidas pelo antigo selecionador dos Palancas tiveram repercussão nos media angolanos.

Angola é um país desorganizado: Já não aceito trabalhar nem que, titulava o https://correiokianda.info/, nao-volto-

"Manuel José disse que não volta mais a trabalhar em Angola, mesmo que fosse para ser Presidente da República, pelo facto de, no seu entender, haver desorganização no país e corrupção generalizada", lê-se no site www.angolapress.com/2021/04/angola.

Bem diferente de há doze anos, maio de 2009, quando Angola esperava, qual Messias, o então treinador português — que substituía Mabi de Almeida, demitido no dia 17 de abril desse ano, após a derrota para Cabo Verde, em Olhão.

Manuel José era o super-treinador que dera à equipa egípcia do Al Ahly inúmeras vitórias: três campeonatos (2004-05, 2005-06 e 2007-08), quatro Ligas dos Campeões Africanos (2001, 2005, 2006 e 2008), duas Supertaças de África (2001 e 2006) e duas Supertaças do Egipto.

A expectativa era por isso grande, após o anúncio da sua contratação pela FAF-Federação Angolana de Futebol, confiante de que com Manuel José os ’Palancas’ iriam "fazer uma boa campanha no CAN de 2010".

Um dos principais jogadores da seleção angolana, Gilberto, congratulava-se: "Só posso dizer que estou muito satisfeito e que era o melhor que podia acontecer à nossa seleção", asseverou o ’Palanca’.

À chegada em 28 de maio, o treinador português declarava o seu amor incondicional por Angola: "Sou um amante de Angola".

A frase foi o título sonante do dia no AngoNotícias, diário luandino. Mas no fim do seu contrato de um ano, com cláusula de renovação por mais um, o treinador português, de 64 anos, batia com a porta.

Motivo: "Preciso de adrenalina ao máximo", explicou assim a sua partida.

Fonte: Referida. Fotos: Manuel José. Palancas Negras em treino de preparação para o Burkina-Faso.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project