INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Irão volta a prender cientista Fariba Adelkhah 16 Janeiro 2022

A justiça iraniana confirmou hoje 16, através do seu site oficial que a académica Fariba Adelkhah, de 62 anos, antropóloga e investigadora no CERI-Centro de Investigação Internacional em Paris, voltou à prisão no dia 12, por "violação das regras da prisão domiciliar". Detida desde 2019, a binacional franco-iraniana foi condenada a seis anos de prisão acusada de recolher informações e conspirar contra a segurança nacional do Irão, onde nasceu.

Irão volta a prender cientista Fariba Adelkhah

No dia 12, as autoridades iranianas ordenaram que a Fariba Adelkhah em prisão domiciliar com pulseira eletrónica voltasse à prisão, por alegada "violação das regras" judiciárias, confirmou o website do sistema judicial iraniano Mizan.news.

A "medida arbitrária" é contestada pela académica e pelo seu comité de apoio sediado em Paris.

O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, que reagiu de imediato, a pedir a libertação da "cidadã francesa" sob pena de ferir as relações entre os dois países, voltou a deplorar a decisão das autoridades iranianas que não reconhecem a nacionalidade francesa de Fariba Adelkhah.

Onze meses depois de detida, com o seu cônjuge, em junho de 2019, a investigadora ouviu a 15.5.2020 a sentença do julgamento que decorreu entre 3 de março e 19 de abril, no Tribunal Revolucionário de Teerão.

Em março de 2020, o seu cônjuge e também investigador Roland Marchal foi libertado numa troca de prisioneiros que envolveu o engenheiro nuclear iraniano Jallal Rohollahhnejad, detido nos Estados Unidos.

O Irão tratou diferentemente os dois casos, porque não reconhece a nacionalidade francesa de Fariba.

Apesar das tentativas feitas pelo próprio ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, para que os dois académicos fossem libertados, o julgamento da franco-iraniana avançou após a libertação do seu cônjuge francês.

Fontes: AFP/ France24/DW.de. Relacionado: Académica francesa acusada de espionagem é condenada a 6 anos de cadeia no Irão, 18.mai.020; EUA-Irão: Histórica troca de prisioneiros, 2 cientistas voltam a casa anos depois de presos em Teerão e Chicago.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project