ECONOMIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Preços mundiais do milho, trigo e açúcar registaram uma tendência de alta e os do açúcar mantiveram a nível estável 16 Maio 2021

Conforme um estudo realizado pelo secretariado Nacional para a Segurança Alimentar e Nutricional (SNSAN), os preços mundiais dos cereais, milho trigo e açúcar mantiveram a tendência de alta na semana passada. Enquanto que para o arroz, os preços mundiais de sua exportação apresentaram uma tendência relativamente estável.

Preços mundiais do milho, trigo e açúcar registaram uma tendência de alta  e os do açúcar mantiveram a nível estável

Milho em alta

O estudo indica que os preços mundiais de exportação de milho mantiveram a tendência de alta na semana passada. Nos Estados Unidos, as preocupações com o declínio das perspetivas da safra no Brasil e fortes mercados à vista contribuíram para novos ganhos nos preços.

“A venda semanal da safra antiga foi lenta, contudo, o total acumulado registou um recorde de 67,9MT, cerca de 81% superior face ao período homólogo da temporada passada”, aponta.

Já na Argentina, a colheita 2020/21 se encontrava 32% concluída, mas, no comparativo anual, o ritmo tem sido mais lento. No Brasil, considerando o impacto da seca prolongada na segunda safra (safrinha), notadamente no segundo maior estado de cultivo do Paraná, foi previsto uma redução da produção total da safra 2020/21, conforme a mesma fonte.

Trigo com tendência ascendente

Ainda, segundo o SNSAN, os preços mundiais de exportação de trigo registaram uma tendência de alta em relação à semana anterior, continuando a ser sustentada pelas preocupações com as condições climáticas desfavoráveis para as safras 2021/22 em algumas regiões.

Nos Estados Unidos, as cotações de exportação seguiram a tendência de alta do mercado mundial. Contudo, a fraca procura de exportação da safra anterior ajudou a ancorar os valores, com alguns compradores cancelando licitações devido aos altos preços. Os ganhos nos preços também continuaram a ser contidos por preocupações com a competitividade em relação a outras origens. “Na União Europeia (UE), as cotações de exportação registaram uma subida, contudo atenuada pelo registo de chuvas e abrandamento da procura. Na Argentina, as cotações de exportação do trigo argentino registaram um aumento, na ordem de 3,6%, face à semana anterior, cerca de 285 FOB/Toneladas.

Arroz com preços estáveis

Para o arroz, os preços mundiais de sua exportação apresentaram uma tendência relativamente estável face à semana passada. “Na Tailândia, as cotações de exportação registaram uma alta, sustentada pela recente procura dos operadores económicos da África, embora com ganhos contidos por movimentos cambiais e elevados custos de frete”.

Enquanto que no Vietname, as cotações de exportação do Arroz Viet 5% Broken mantiveram a cotação da semana passada, 491 FOB/Ton. Nos Estados Unidos, os preços de exportação do Arroz US Nº 2, 4% registaram a mesma cotação da semana anterior, cerca de 600 FOB/Ton.

Açúcar em alta

Já os preços mundiais de exportação do açúcar registaram uma tendência de alta em relação à semana anterior. No Brasil, foi relatado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA) que a maturação da cana está atrasada nesta safra, devido ao clima seco, e que algumas fábricas decidiram iniciar as atividades mais tarde do que o normal, limitando a oferta de açúcar no mercado.

Na Índia, os contratos de exportação de açúcar, até agora nesta temporada, chegaram a cinco Milhões de Toneladas, de acordo com o Secretariado Alimentar. A meta de exportação obrigatória para a safra 2020/21 (out-set) é de seis Milhões de Toneladas, mas a política de exportação só foi aprovada em Janeiro passado.

Frete Marítimo com tendência ascendente

Para o frete marítimo, as taxas para o transporte de graneis sólidos mantiveram a tendência de alta da semana passada. Para o carregamento nos navios Panamax, as taxas de frete fortaleceram na Ásia, especialmente para carregamentos de carvão da Indonésia. No Atlântico, houve forte procura por minerais e grãos do Golfo dos Estados Unidos.

“Os negócios de minério de ferro da Austrália Ocidental também deram suporte às taxas. Para os setores dos navios Handysize e Supramax, os ganhos foram impulsionados por fortes atividades na Ásia e fixação sustentada na América do Sul. Para as transportadoras Capesize, a atividade acelerada de minério de ferro, principalmente na Austrália, continuou a sustentar os lucros, com os exportadores supostamente interessados em maximizar os embarques, tendo em conta os preços recordes da commodity”, revela o estudo que este jornal vem citando.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project