LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Presidente da Guiné Equatorial recusa falar sobre sucessão 26 Novembro 2021

O Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, que governa o país desde 1979, rejeitou esta quinta-feira (25.11) falar da sua sucessão. Obiang assegurou que haverá uma alternância própria de uma democracia.

Presidente da Guiné Equatorial recusa falar sobre sucessão

O chefe de Estado, de 79 anos, disse, numa conferência em Bata, que, "no que diz respeito à permanência no poder, é preciso saber que, num estado de democracia, não é bom falar de sucessão, como se fosse uma herança”. Obiang está no poder há 42 anos e alcançou o poder após um golpe de Estado no qual derrubou o seu tio Francisco Macías.

O Presidente compareceu perante os jornalistas após o encerramento do VII Congresso Nacional Ordinário do Partido Democrático da Guiné Equatorial, que está no poder e do qual Obiang é fundador. O congresso decorreu entre 22 e 24 de novembro e antes do evento especulava-se acerca da eventual nomeação de um candidato às eleições presidenciais de 2023.

Sucessão ao poder entre filhos de Obiang

Segundo analistas, a sucessão de Obiang é disputada entre os seus dois filhos, que detêm cargos importantes no Governo. O primeiro, vice-presidente e responsável pela segurança nacional, Teodoro Nguema Obiang Mangue, conhecido como "Teodorín”. O segundo, Gabriel Mbega Obiang Lima, que é ministro das Minas e Hidrocarbonetos, sendo a Guiné Equatorial um dos maiores produtores de petróleo de África.

Tanto "Teodorín”, figura controversa devido à sua implicação em processos judiciais em países como EUA, França ou Suíça por alegado envolvimento em escândalos de corrupção e branqueamento de capitais, como Lima têm apoios nacionais e internacionais.

Ainda assim, a Constituição favorece o primeiro, já que estabelece que o vice-presidente deve assumir o cargo em caso de demissão, incapacidade ou morte do chefe de Estado.

"Ainda tenho possibilidade de me candidatar"

Obiang recordou que, desde a última reforma constitucional de 2011, existe um limite de dois mandatos presidenciais, que não tem efeitos retroativos. Logo, "ainda tenho possibilidade de me candidatar, se o povo assim o quiser”, afirma. O governante diz que o PGDE vai escolher o seu candidato "quando forem convocadas as eleições”.

As últimas presidenciais do país ocorreram em 2016 e resultaram numa vitória de Obiang com 95% dos votos, que lhe rendeu denúncias de fraude por parte dos opositores e da comunidade internacional.

Desde a sua independência da Espanha, em 1968, a Guiné Equatorial é considerada um dos países mais corruptos e repressivos do mundo, pelas organizações de defesa dos direitos humanos, que levantam acusações de detenções e tortura de dissidentes, tal como denúncias de fraudes eleitorais.

O país aderiu à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) em 2014. C/DWÁfrica

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project