ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Legislativas 2021: Presidente da República decide ponderar mais alguns dias antes de marcar data das eleições 28 Dezembro 2020

O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, decidiu ponderar mais alguns dias antes de marcar as datas para a realização das eleições legislativas e presidenciais de 2021, cumprindo as regras constitucionais e legais.

Legislativas 2021: Presidente da República decide ponderar mais alguns dias antes de marcar data das eleições

As datas deveriam ser comunicadas hoje, no final da reunião do Conselho de República ou o mais tardar até terça ou quarta-feira, mas Jorge Carlos Fonseca disse que depois de ouvir os conselheiros, “que apresentaram posições diferenciadas”, decidiu ponderar “mais um pouco”, pelo que o anúncio das datas só deve acontecer posteriormente.

As eleições legislativas têm de ocorrer no período que vai de 30 dias antes e 30 dias depois do termo do mandato dos deputados, o que quer dizer que teoricamente as mesmas devem acontecer entre 21 de Março a 20 de Maio de 2021.

Por outro lado, indicou Jorge Carlos Fonseca, há normas do Código Eleitoral que indicam que as eleições presidenciais, tanto a primeira como uma eventual segunda volta, têm de ocorrer entre o 40º e 25º dia ao término do mandato do actual presidente.

“Portanto o mandato do actual presidente termina a 20 de Outubro de 2021. Aplicando esta regra do artigo 375º do Código Eleitoral, o 40º dia anterior ao termo do mandato é 10 de Setembro e o 25º dia ao termo do mandato é 25 de Setembro de 2021. Se fosse só isso, era ouvir e marcar a data mais adequada”, explicou.

Contudo, precisou que há uma outra disposição constitucional que impõe que as eleições presidenciais não podem ocorrer nos 180 dias posteriores às legislativas, sendo que o problema de momento é de conseguir articular essas datas.

“Por exemplo, se eu marcar as eleições 20 de Maio, que é possível legalmente, se eu fizer a aplicação da regra da separação de 180 dias, as presidenciais deveriam acontecer 20 de Novembro (…) Portanto seria impossível realizar as eleições entre 40º e 25º anterior ao termo do mandato do Presidente da República” explicou.

Jorge Carlos Fonseca disse que expôs aos conselheiros todas as hipóteses e fizeram vários exercícios, tendo os mesmos proposto várias datas.

“O conselho teve posições muito diferenciadas. Houve quem propusesse concretamente 25 de Abril para as legislativas como já tinha proposto um partido que recebi. Houve quem disse que tinha de ser 21 de Março, com o argumento que 21 de Março a única data que é possível realizar as legislativas em que aplicando a regra dos 180 dias ainda é possível marcar das eleições presidenciais dentro dos prazos que a lei prevê para as previsões e não obrigaria a prorrogação do mandato do presidente”, adiantou.

Para além questão dos prazos constitucionais e legais houve também o argumento relacionado com o atraso no recenseamento, sobretudo na diáspora, e também do confinamento derivado da pandemia de covid-19, que serviram de suporte para alguns conselheiros sugerirem a realização das eleições legislativas em finais de Abril e até em Maio.

Perante as várias datas, os argumentos e contra-argumentos, Jorge Carlos Fonseca, que a partida tinha a sua ideia, decidiu ponderar mais uns dias antes de comunicar as datas das eleições.

“Vou ponderar e marcar as datas, sendo certo que quando entrei para a reunião eu tinha a ideia de anunciar a data antes do final de ano. Neste momento, estou a ponderar se farei amanhã ou depois de amanhã ou depois, como tenho ainda um prazo de até 70 dias da data das eleições. Quer dizer, que tenho pelo menos até 10 de Janeiro para o fazer dependendo da data que eu marcar”, sustentou.

Jorge Carlos Fonseca lembrou, por outro lado, que a Constituição da República permite a prorrogação do mandato do Presidente da República, mas antes havia dito que não tinha interesse em permanecer no cargo para além do período para o qual estava mandatado.

Para além do Conselho da República, o chefe de Estado ouviu todos os partidos registados no Tribunal Constitucional, a coordenadora da Direcção-geral de Apoio ao Processo Eleitoral (DGAP) e a presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE), e obteve também alguns pareceres jurídicos.

As últimas eleições legislativas em Cabo Verde ocorreram no dia 20 de Março e presidenciais no dia 02 de Outubro de 2016. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project