SOCIAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Caso de ameaça de colocar mulher na câmara de frio: Presidente do ICIEG afirma que nenhuma situação justifica a violência 15 Fevereiro 2020

Continua a dar que falar o caso de ameaça de se colocar numa câmara de gelo a uma mulher que presumivelmente tem roubado numa loja da Capital. A presidente do ICIEG reagiu, esta quinta-feira, a um vídeo que está a circular no facebook, em que a referida mulher está supostamente a ser agredida por ter possivelmente sido apanhada a roubar numa loja da Praia. Rosana Almeida condenou tal prática, fundamentando que nenhuma situação justifica a violência.

Caso de ameaça de colocar mulher na câmara de frio: Presidente do ICIEG afirma que nenhuma situação justifica a violência

Segundo a Inforpress, no vídeo consegue-se ver que a mulher em causa está possivelmente a ser agredida por um grupo de homens que supostamente, terá surpreendida ela a roubar num estabelecimento na cidade da Praia.

“Esta menina está a furtar na Praia toda. Nos furtou 10 garrafas de whisky. Já a peguei e vou-lhe dar de pau. Vou a meter dentro da câmara de gelo como castigo”, palavras ditas pelos supostos agressores.

Escreve a Inforpress que no mesmo vídeo, a vítima que chegou a confessar que roubou algumas garrafas de bebida, disse que está grávida e apelou para que a deixassem. Segundo a mesma fonte, mais à frente a mulher aparece agachada como se estivesse a urinar dentro da câmara de frio.

Reagindo-se ao caso, a presidente do ICIEG, confirmou ter visto o vídeo, defendendo que “nenhuma situação justifica violência”, seja de que tipo for. Rosana Almeida mostrou-se crente que o caso já esteja a ser investigado, afirmando ainda que o ICIEG, que não trabalha “apenas com informações que circulam nas redes sociais”, está a acompanhar “atentamente” este caso.

“Nós estamos a tentar promover uma verdadeira cultura de não-violência e não compactuar com situações que possam pôr em causa a estabilidade emocional e física de qualquer pessoa, mormente neste caso vejo que se trata de uma senhora envolvida”, argumentou.

A Inforpress revela ainda que, quem também reagiu sobre o referido caso foi a presidente da Associação Cabo-Verdiana de Luta contra Violência Baseada no Género (ACLCVBG).

“Se fosse um homem, seria mais fácil chamar a polícia para resolver. Mas com a mulher usam a força”, frisa. Vicenta Fernandes considerou o acto como sendo uma violência aos direitos humanos, defendendo ser crime a publicação do vídeo nas redes sociais.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project