LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Privilégio de benemérito-descendente é legítimo, afirma U.Católica — Contraste com média de 20 só à 3ª 01 Outubro 2022

A polémica está acesa em Portugal com o caso do candidato que — com 15,81, muito atrás do último colocado com 16,89 valores no concurso geral de acesso — entrou no mestrado integrado de medicina da Católica através de um regime especial por ser descendente de um benemérito daquela universidade.

Privilégio de benemérito-descendente é legítimo, afirma U.Católica — Contraste com média de 20 só à 3ª

O diretor da faculdade em causa defende a decisão que "é legal", que "não tirou lugar a ninguém". O decano António de Almeida, da nova Faculdade de Medicina da UCP-Universidade Católica Portuguesa, diz lamentar a polémica e defende o mérito dos candidatos do concurso especial de acesso destinado exclusivamente aos "descendentes em linha reta de beneméritos insignes da Universidade".

Após a polémica arrrancar na segunda-feira através das redes sociais, o assunto passou a ser tratado nos media da referência.

Em entrevista ao Expresso.pt, o diretor da FM-UCP diz não conhecer bem "as razões históricas que levaram à criação deste contingente", mas destacou que "a UCP é uma universidade pública, de gestão privada e sem fins lucrativos, em que muito da sua estrutura vem das propinas mas também de donativos que são feitos".

"O reconhecimento de pessoas que promovem as universidades acontece muito em instituições internacionais. Da mesma forma que queremos ajudar os atletas de alto rendimento, os lusodescendentes que querem voltar a Portugal ou os refugiados de guerra e queremos reconhecer os que nos fazem bem", acrescenta António de Almeida.

Contraste

Para atingir a nota máxima que lhe permitiu entrar no curso desejado na universidade este ano, a pessoa colocada em primeiro lugar no curso de medicina do Instituto Abel Salazar de Cências Médicas da Universidade do Porto teve de repetir o 12º ano duas vezes. E neste 2022 atingiu a meta com a média de 20. Entrou com dezanove anos e a número dois que tem dezassete anos entrou logo à primeira.

Especiais


“Não conheço pormenorizadamente as razões históricas que levaram a criação deste contingente. Temos de ter em conta que a UCP é uma universidade pública, de gestão privada e sem fins lucrativos, em que muito da sua estrutura vem das propinas mas também de donativos que são feitos”, começa por dizer ao Expresso António de Almeida, diretor da Faculdade de Medicina".

"O reconhecimento de pessoas que promovem as universidades acontece muito em instituições internacionais. Da mesma forma que queremos ajudar os atletas de alto rendimento, os lusodescendentes que querem voltar a Portugal ou os refugiados de guerra e queremos reconhecer os que nos fazem bem”, acrescenta.

Fontes: RTP/SIC/Expresso/... Fotos: A UCP, privada, tem uma regra única no sistema universitário em Portugal que é ter um sistema paralelo para facilitar a entrada de candidatos especiais, através do concurso especial de acesso destinado exclusivamente aos "descendentes em linha reta de beneméritos insignes da Universidade". Entenda-se: cujos pais e avós tenham feito doações importantes a essa universidade. A única condição é terem o mínimo de catorze valores,quando a média de certos cursos ronda os 19-20 valores.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project