CORREIO DAS ILHAS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Produtores e agricultores de Santo Antão descontentes com actuação da IGAE 28 Junho 2021

Os produtores e agricultores da ilha de Santo Antão estão descontentes com a actuação da Inspecção-Geral das Actividades Económicas (IGAE), que é acusada de não estar a cumprir o “seu papel”.

Produtores e agricultores de Santo Antão descontentes com actuação da IGAE

O descontentamento da classe foi tornado público hoje por António Carente, que falava no encontro dos produtores de grogue da ilha de Santo Antão, ocorrido no salão do Internato Grão-Ducado do Luxemburgo, exigindo que a IGAE cumpra o “que está na lei referente à produção de aguardente”.

A mesma fonte fez uma síntese do antes e depois da implementação da Lei do Grogue, considerando que de 2004 a 2014, antes da implementação da lei do grogue, houve uma “deterioração” da qualidade do grogue da ilha.

“Após a implementação da Lei do Grogue”, prosseguiu António Carente, “houve melhoramento na produção e qualidade do grogue na ilha, menos mortes, a economia da ilha subiu e houve mais emprego no meio rural”.

O produtor de aguardente sublinhou, entretanto, que de 2017 aos dias de hoje, “as coisas pioraram”.
“Estamos assistindo o alastramento da aguardente de açúcar na ilha e podemos dizer que quase 90% das pessoas que têm trapiche ou motorizada produzem grogue de açúcar e em larga escala”, frisou.

António Carente denunciou ainda que numa localidade, no interior do concelho da Ribeira Grande, com capacidade máxima de 10 a 12 mil litros de grogue, produz-se neste momento mais de 60 mil litros de grogue.

Por isso, apelou à IGAE para serem mais “severos” e “detalhistas” nas suas inspecções.

Por sua vez, o inspector-geral das Actividades Económicas (IGAE), Paulo Monteiro, afirmou que tomou em “boa nota” algumas questões pertinentes levantadas pelos produtores de grogue e garantiu que a IGAE “vai continuar a fazer a fiscalização”.

“Vamos tentar resolver até onde podemos, porque é um assunto transversal, que envolve muitas entidades. O trabalho de fiscalização em Santo Antão é um desafio enorme, mas vamos conseguir, com tranquilidade e boas estratégias, junto com as entidades da ilha, resolver estas questões”, pontuou Paulo Monteiro.

Já o presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande (CMRG), Orlando Delgado, lembrou que o encontro foi organizado pela Associação dos Municípios de Santo Antão, tendo em conta aquilo que é a importância da produção de aguardente para a ilha.

“Entendemos que era oportuno fazer o encontro com os produtores de Santo Antão e também com a IGAE para falarmos sobre alguns constrangimentos que existem em termos da produção, nomeadamente, a certificação, uniformização dos procedimentos da fiscalização, dos tipos de equipamentos que deverão ser usados para a fermentação, transporte de aguardente entre outros”, finalizou o edil ribeira-grandense. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project