ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Qual é o potencial da energia solar em África? 10 Outubro 2022

África oferece condições ótimas para a energia solar, mas apenas 1% de todos os sistemas fotovoltaicos do mundo estão lá. Ao mesmo tempo, há escassez de eletricidade. Portanto, existe potencial a ser explorado.

Qual é o potencial da energia solar em África?

Quando a electricidade acaba em Soweto, à noite, não há apenas escuridão, mas também o perigo. "Podem aparecer e tentar entrar na tua propriedade. Não os consegues ver", diz Nonhlanhla Morudu. Aos 45 anos, vive com a sua mãe e três filhos no subúrbio de Joanesburgo. "Foi por isso que instalámos algumas lâmpadas solares, para que houvesse luz à nossa volta e estivéssemos mais seguros".

A energia solar é boa para o meio ambiente e os custos de investimento são acessíveis. Mesmo assim, a necessidade de electricidade barata e fiável em África é enorme. Além disso, o norte e o sul do continente, em particular, oferecem condições ideais para instalações solares.

De acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE), 60% das áreas próprias para este recurso estão localizadas no continente. No entanto, até agora, apenas 1% da capacidade instalada mundial se encontra em África.

Mas é provável que isto venha a mudar em breve. Marc Howard da consultoria britânica Africa Energy espera que a produção actual do continente triplique até 2025. De acordo com os dados da sua empresa, mais de 1.100 instalações estão actualmente a produzir energia solar em África, com uma capacidade total de 7,4 gigawatts.

Apenas como comparação: os sistemas fotovoltaicos instalados na Alemanha tinham uma capacidade de cerca de 58 gigawatts em 2020. Em 2024, espera-se que este número seja de quase 23 gigawatts em África - ou mais, uma vez que as plantas solares muitas vezes precisam apenas de um curto tempo de planeamento. Estará África apenas no início de uma revolução da energia solar?

África do Sul, sistemas solares como alternativa

"A África do Sul é um mercado em expansão para a energia fotovoltaica porque os fornecedores comerciais recentemente apenas precisam mostrar uma licença para apenas a partir de 100 megawatts", diz Howard.

São principalmente empresas do sector mineiro, pro exemplo, que precisam de muita electricidade e já não querem depender da empresa pública de electricidade Eskom, em dificuldades.

Décadas de má gestão e manutenção negligenciada tornaram a Eskom longe de ser capaz de cobrir as necessidades do país. Com frequência, interrompe o fornecimento em distritos da rede por algumas horas a intervalos fixos - o "loadhedding", como se diz na África do Sul.

É por isso que ter o seu próprio sistema solar no telhado pode ajudá-lo a tornar-se independente do fornecimento de energia não fiável - mesmo durante a noite. Mas isso "só funciona se o seu sistema solar tiver uma bateria", diz Megan Euston-Brown, directora da organização sem fins lucrativos Sustainable Energy Africa [Energia Sustentável em África].

Os custos iniciais para isto compensam após sete anos, e sem um sistema de baterias, apenas após cinco anos, diz Kevin Robinson da associação da indústria fotovoltaica AFSIA. "Com custos iniciais baixos, redes eléctricas não fiáveis e possivelmente preços de electricidade em alta, vale a pena instalar sistemas solares no telhado", diz Robinson à DW.

Isso tudo, apesar do facto de a indústria ter vindo a reportar aumentos de preços significativos desde 2020, em resultado de cadeias de abastecimento perturbadas. Uma grande parte da produção fotovoltaica global está localizada na China, cuja estrita política de "zero-covid" continua a enviar cidades inteiras com milhões de habitantes, e com eles a força de trabalho dos fabricantes, para o confinamento.

Ao mesmo tempo, porém, a guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia está a fazer subir os preços da energia na Europa, tornando os novos projectos fotovoltaicos muito lucrativos a longo prazo.

Se um actor economicamente forte, como uma empresa mineira sul-africana, quer construir uma exploração solar, pode obter um empréstimo barato com relativa facilidade.

No entanto, para muitas empresas de electricidade estatais, o financiamento é mais difícil, diz Howard. "Os choques de inflação globais desencadeiam crises económicas. E as exigências aos governos africanos [para obter empréstimos] são absolutamente enormes", diz o analista.

"Muitas pessoas descobrem, portanto, que os países mais ricos precisam de fornecer muito mais ajuda para modernizar a rede eléctrica" - porque o acesso à electricidade é elementar para um forte crescimento económico, diz ele.

"Apenas cerca de 1,5% do investimento global no sector da energia está em África Subsaariana, e a região está gravemente subfinanciada", diz Megan Euston-Brown.

Mas, de acordo com as análises da Africa Energy, quase todos os países africanos irão produzir energia solar até meados da década. Para além da África do Sul e vários estados do Magrebe, também Angola, Etiópia, Botswana, Costa do Marfim e Chade, em particular, estão a planear grandes aumentos.

Afinal, está a começar uma revolução de energia solar? "Provavelmente não, mas sim uma evolução", diz o representante da associação Kevin Robinson, referindo-se ao financiamento ainda difícil.

Na África do Sul, pelo menos, "uma espécie de revolução" está a ter lugar, acredita Megan Euston-Brown: "Há aqui uma grande consciência disso. Temos grandes vantagens económicas da energia solar. Mas, ao mesmo tempo, há um longo caminho". A Semana com DWÁfrica

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project