AUTÁRQUICAS 2020

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Região Fogo e Brava: Últimas jogadas dos 9 concorrentes com todos os cenários em aberto 23 Outubro 2020

Com a campanha eleitoral no fim, na região Fogo e Brava os 9 candidatos à presidência dos órgãos autárquicos ( 7 no Fogo e 2 na Brava) endurecem posições na luta pela consolidação de eleitores. Mas, segundo observadores locais, tudo está ainda em aberto. No Fogo, tanto o MpD poderá perder a favor do PAICV ou manter as duas câmaras (São Filipe e Santa Catarina) como poderá conquistar ou não a dos Mosteiros.

Região Fogo e Brava: Últimas jogadas  dos 9 concorrentes com todos os cenários em aberto

A pensar nisso, todos os candidatos estão a jogar as últimas cartadas. No Fogo, não obstante a situação da pandemia provocada pelo novo coronavírus e pelo compromisso assumido com a assinatura do código de conduta (CC) sanitário, as candidaturas das duas maiores forças políticas (MpD e PAICV) acabaram por realizar autênticos comícios, desfile de viaturas e passeatas, quer em São Filipe, como nos Mosteiros e Santa Catarina. Isto com a exceção feita à UCID em São Filipe, que talvez por insuficiência de recursos financeiros e materiais, não mobilizou grandes números de eleitores.

Conforme apurou este jornal, o Movimento para a Democracia (MpD-poder) jogou todas as cartadas para manter a presidência das Câmaras de São Filipe e de Santa Catarina do Fogo e tentar conquistar a dos Mosteiros. Prova disso é a avalanche de visitas de membros do Governo e de altos dirigentes do partido à ilha - Primeiro-ministro e presidente do partido, vice-primeiro-ministro e vice-presidente do MpD, do ministro do Estado e vice-presidente do MpD, do ministro da Cultura, do Presidente da Assembleia Nacional - para apoiar as candidaturas nos três municípios, lideradas por Jorge Nogueira/Adolfo Rodrigues (São Filipe), Alberto Nunes/Luís Alves (Santa Catarina) e Lourenço Lopes/Francisco Amado (Mosteiros).

Contudo, no concelho de São Filipe, onde o nível de contestação ao Edil Jorge Nogueira era elevado, incluindo elementos do seu partido, a candidatura ventoinha «investiu avultadas somas na distribuição de donativos em materiais de construção e outros, bem como em valores monetários para fidelizar os apoios. Um fato que motivou muitas queixas das demais candidaturas junto da Comissão Nacional das Eleições (CNE) e que já deu instruções no sentido de suspender esta prática que é proibida pelo Código Eleitoral.

«Apesar disso, reina uma incógnita quanto ao cenário possível em termos de resultados eleitorais em São Filipe. Mas se a alegada tentativa de compras de voto funcionar, especula-se que Jorge Nogueira poderá ser reeleito. Mas o contrário poderá também acontecer: a vitória da candidatura do PAICV, liderada por Nuías Silva e Luís Nunes, que tem mobilizado muitos eleitores», analisa a fonte deste jornal.

Em Santa Catarina do Fogo, apesar da situação adversa em Chã das Caldeiras - desfavorável ao edil cessante, admite-se que a candidatura do MpD com Alberto Nunes pode ser eleita, isto caso o factor “Chã das Caldeiras” não venha a ter impacto negativo noutras comunidades e acontecer surpresa: derrota de Nunes, já que «Eugénio Veiga (PAICV) não descarta a possibilidade de uma vitória se as eleições forem justas e transparentes».

Nos Mosteiros o cenário aponta para a vitória da candidatura do PAICV com Fábio Vieira (Câmara) e Lúcio Fernandes (Assembleia) em relação à equipa do MpD com Lourenço Lopes (Câmara) e Francisco Amado (Assembleia). Isto caso não ocorra fenómeno político de última hora que favoreça a candidatura ventoinha.

Mas, para fontes deste jornal, cabem aos eleitores decidirem nas urnas, não somente em função dos projetos e das equipas, mas sobretudo em relação à simpatia político-partidária e em função daquilo que receberam ou não durante a campanha eleitoral, mesmo sabendo que terão de esperar por mais quatro anos para voltarem a usufruir do mesmo benefício eleitoral.

Em São Filipe, as candidaturas têm privilegiado, nos últimos dias, mais comícios do que contatos de porta-a-porta - um ou dois comícios no interior e um na cidade de São Filipe. O mesmo aconteceu, esta quinta-feira, no encerramento das atividades.
E as próximas horas - até ao fecho das urnas no domingo, serão decisivas para determinar os vencedores destas eleições nos três municípios do Fogo.

Brava e eleitores expectantes

Já na ilha Brava, os eleitores estão expectantes. É que, segundo fontes deste jornal, as duas candidaturas, PAICV e MpD, dizem-se confiantes na vitória no próximo domingo. Observadores locais mostram-se prudentes, preferindo esperar pelos resultados das urnas, isto atendendo a forma como decorreu a campanha eleitoral na ilha das Flores entre Clovis Silva (PAICV) e Francisco Tavares (MpD).

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project