INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Reino Unido: Príncipe dos Emirados encontrado morto — Flagelo da droga evocado na morte do último filho do soberano 07 Julho 2019

Khalid Al-Qasimi, de 39 anos, que fundou um império de moda para homens, morreu esta segunda-feira em Londres, confirmou a polícia britânica. A mesma autoridade acrescenta em comunicado que "a autópsia foi inconclusiva" enquanto a imprensa local tinha noticiado sobre uma festa, horas antes, com "excessos" na penthouse do filho do "Sheik Sultan Mohamed Bin Sultan Al-Qasimi" que é o soberano de Sharjah nos Emirados Árabes Unidos.

Reino Unido: Príncipe dos Emirados encontrado morto — Flagelo da droga evocado na morte do último filho do soberano

O príncipe do Emirado de Sharjah após licenciar-se em arquitetura e moda fundou em 2008 a Qasimi, a sua marca de moda sediada em Londres, que oito anos depois lançou a linha Qasimi Homme.

As coleções Qasimi, para homem, desfilaram com retumbante sucesso na PFW-Semana da Moda de Paris e na LFWM-Semana da Moda Masculina de Londres. A nova designação do desfile bianual, na capital inglesa, reflete o crescimento deste nicho de moda, segundo o site da Qasimi.

A empresa pioneira na moda masculina está, desde a fundação, sediada num prédio construido de raiz em Knightsbridge. O bairro no centro de Londres está perto da penthouse, a residência no último andar com terraço, avaliada em noventa milhões de libras (11,7 milhões de contos) onde na segunda-feira de manhã os empregados encontraram o príncipe já cadáver.

A imprensa popular britânica, como o The Telegraph, o Daily Mail, Mail News publicaram depoimentos de colaboradores do império Qasimi. Alguns são pouco elogiosos, como o do funcionário que, apesar da ’lei do silêncio’ na empresa, relatou ao The Sun sobre "os fins de semana marcados pelas metanfetaminas", em festas "de todos os excessos" que no dia seguinte se refletiam no trato com os funcionários: "Na segunda-feira, ele parecia um monstro".

Noutro, uma funcionária diz: "Khalid era sem surpresa muito popular. Por causa do seu dinheiro e das pessoas com quem se dava, na sua vida de playboy não faltavam mulheres, muitas".

"Mas ele sempre tratou as mulheres da sua equipa com muito respeito. Era um trabalhador incansável e muito focado, mas também excedia-se nas noitadas. E é muito triste, porque foi isso mesmo que acabou por o matar".

Os Emirados Árabes Unidos decretaram três dias de luto, com as bandeiras a meia-haste, “em memória do príncipe xeque Khalid Bin Sultan Al-Qasimi”, lê-se no site dos Emirados.

Flagelo da droga nos Emirados

O soberano de Sharjan lançou, em 2017, uma fundação para o tratamento da toxicodependência, que flagela os Emirados. E que no Emirado de Sharjan (que com Abu Dhabi e Dubai forma o tripé mais importante dos sete emirados) atingiu os dois sucessores da dinastia Al-Qasimi.

Em 1999, o príncipe herdeiro, com o mesmo nome do pai, morreu aos 24 anos, de uma overdose de heroína. O caso foi revelado no The Independent de junho desse ano, dois meses após o dia em que o Sultão de Sharjan encontrou o filho morto na casa de banho do palacete propriedade da família, em Sussex, a menos de 50 km de Londres.

O médico que assinou a autópsia indicando como causa da morte o abuso de heroína por um não-dependente,concluía: "Ninguém, nem o mais privilegiado e formado nas melhores escolas, está imune à adicção. Ele jogou aos dados com a morte".

Khalid e o primogénito Mohamed eram os únicos filhos varões, um do primeiro e outro do segundo casamento do soberano. O xeque/Sheik Sultan Mohamed Bin Sultan Al-Qasimi tem quatro filhas, uma das quais é gémea de Khalid e diretora da Fundação nacional de Arte, segundo a biografia oficial.

Desaparecidos os únicos herdeiros, coloca-se o problema da sucessão no Sultanato onde os Al-Qasimi são uma dinastia com 311 anos, desde 1708.
— -

Fontes: referidas. Fotos: 1ª No país-natal onde só viveu até aos nove anos, o magnata da moda Qasimi teve dezenas de milhares a seguirem o seu esquife desde a Mesquita do Rei Faisal até ao cemitério onde foi inumado numa campa anónima, esta quarta-feira, 3 (flexibilizando, diz-se, "o rito muçulmano da Xária/Sharia pelo qual o enterro se faria até 24 horas após a morte"). 2ª A última apresentação de Qasimi na LFWM 2020, há duas semanas.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau

blogs

publicidade

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project