ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Rússia: "A TV mente!", protestou jornalista agora desaparecida após arrasar ’propaganda’ — Líderes europeus em Kiev 15 Mar�o 2022

Esta terça-feira enquanto os primeiros-ministros da Polónia, R. Checa e Eslovénia fazem uma visita solidária à Kiev cercada pelas tropas russas, o mundo revela inquietação é pelo destino da funcionária da televisão estatal em Moscovo que ontem à noite foi detida ao interromper o noticiário da noite para protestar contra a guerra em curso na Ucrânia.

Rússia:

A agora desaparecida Marina Ovsyannikova — que edita o noticiário e surgiu por trás da apresentadora a gritar "Parem a guerra! Não à guerra" — infringiu uma lei recente que proíbe a utilização da palavra guerra para referir a situação na Ucrânia.

A sua atuação ao vivo, que incluiu um apelo "para não acreditarmos no que a televisão diz", qie é" tudo mentira" durou dez segundos, até que a produção interrompeu a transmissão. Testemunhas referiram que ela foi de imediato levada presa.

Doze horas decorridas, ninguém sabe dela, segundo os advogados citados pela agência estatal TASS que refere que ela pode ser acusada do crime grave que é "causar descrédito sobre as forças armadas russas".

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, em conferência de imprensa hoje (terça-feira 15) referiu que o ato de "hooliganismo" de Marina Ovsyannikova "tem de ser tratado a nível laboral, não cabe ao Kremlin".

Quem é Marina

A funcionária da estação oficial Canal 1, gravou um vídeo que foi partilhado após a sua apresentação. "O meu pai é ucraniano e a minha mão é russa". Ela descreve a "guerra na Ucrânia" e pede aos cidadãos russos que façam protestos públicos contra esse "crime".

"Infelizmente eu estive nos anos mais recentes a trabalhar neste Canal 1 a fazer a propaganda do Kremlin, de que me envergonho. Hoje estou muito envergonhada por ter permitido que tantas mentiras tenham sido ditas nesta televisão. Sinto-me muito envergonhada por ter permitido que o povo da Rússia seja tratado como zombies".

"Perigoso protesto"

Desde a noite de ontem que a sociedade global reage com aplausos à coragem deste "perigoso protesto".

O presidente Zelensky foi um dos primeiros a manifestar-se. Na sua conta na rede social Telegram agradece à "mulher que entrou no Canal1" para "repor a verdade" sobre os ataques russos ao país vizinho.

A porta-voz do detido Alexei Navalny também partilhou no Twitter o vídeo da Marina. A porta-voz Kira Yarmysh lembrou o apelo de Navalny sobre a importância dos protestos contra a tirania, que são atos de cidadania importantes.

Nestes últimos dias, atingiram vários milhares os russos detidos em protestos contra a guerra na Ucrânia.

"A invasão da Ucrânia está a mudar a sociedade russa, incontestavelmente", segundo o OVD-Info, órgão de imprensa sediado em Moscovo.

Fontes: TASS/Washington Post/Twitter.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project