INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Rússia ordena rendição das tropas ucranianas em Mariupol 17 Abril 2022

Ministério da defesa russo diz que defensores da cidade devem render-se ou "morrerão".

Rússia ordena rendição das tropas ucranianas em Mariupol

O Ministério da Defesa da Rússia emitiu um ultimato às forças ucranianas que ainda lutam na cidade sitiada de Mariupol para que se rendam a partir das 6h de domingo (hora de Moscovo), informou a agência noticiosa estatal TASS citada pelo NM.

"A única hipótese de salvarem as suas vidas é entregarem volutariamente as suas armas e renderem-se", citou a Reuters.

As vidas dos que se renderem serão poupadas, disse o ministério.

A Rússia tinha dito, anteriormente, que todas as áreas urbanas da cidade foram liberadas das forças da Ucrânia, restando apenas um bolsão de combatentes, bloqueado na siderúrgica Azovstal.

Segundo o porta-voz do Ministério da Defesa russo, Mikhail Mizintsev, a situação é "catastrófica".

Hoje (15/04), o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, admitiu que a situação em Mariupol é "extremamente grave", mas não abordou as alegações da Rússia de ter retirado tropas de toda a área urbana.

A cidade portuária de Mariupol, junto ao mar de Azov, é um dos principais objetivos russos para conseguir o controlo total da região do Donbass e formar um corredor terrestre no leste do país a partir da península da Crimeia, anexada em 2014.

A ofensiva militar lançada na madrugada de 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, mais de 5 milhões das quais para os países vizinhos, de acordo com os mais recentes dados da ONU — a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Segundo as Nações Unidas, cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

Conforme a fonte deste jornal, a invasão russa - justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e "desmilitarizar" a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

A guerra na Ucrânia, que entrou hoje no 52.º dia, já matou quase dois mil civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito mais elevado. Foto: Anadolu Agency via Getty Images

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project