NOS KU NOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

S.Vicente: Deputada Filomena Martins diz que indicadores de saúde da ilha são um dos piores e exige explicação do Governo 30 Mar�o 2018

A deputada nacional Filomena Martins manifestou hoje,29, a sua preocupação face à “degradação de vários indicadores de saúde em São Vicente”, já que os Relatórios Estatísticos de 2016 colocam a ilha “entre os piores indicadores de saúde” s nivel de Cabo Verde.

S.Vicente: Deputada Filomena Martins diz que indicadores de saúde da ilha são um dos piores e exige explicação do Governo

Em conferência de imprensa esta manhã, na Cidade da Praia, a deputada, eleita pelo Círculo Eleitoral de São Vicente pelo PAICV, disse ter baseado o seu posicionamento nos Relatórios Estatísticos de 2016, sublinhando que esta degradação lhe causou admiração, porquanto, São Vicente, pela sua história, tem liderado normalmente os indicadores de saúde pela positiva no país.

Segundo indicou, o último relatório publicado pelo Ministério da Saúde demonstra “claramente” que São Vicente tem os piores indicadores de saúde em várias doenças e que em outras situações está entre os três piores indicadores.

“Esta situação que não nos agrada, interpelou-nos ao ler o relatório do Ministério da Saúde e exigir que o Governo viesse esclarecer na casa parlamentar as razões do retrocesso desses indicadores e assumisse a responsabilidade no sentido de resolver o quanto antes esta situação, facultando aos técnicos e profissionais de saúde no Mindelo as condições possíveis para se continuar a ter um bom desempenho”, sublinha.

A deputada debruça nos dados do Relatório Estatístico de 2016 para se mostrar apreensiva pelo facto de São Vicente registar uma taxa de 260 casos de diarreias com sangue, quando a taxa mais próxima desta ilha é 126 ocorrências na ilha da Boa Vista.

Em relação à diarreia com desidratação em crianças com menos de cinco anos, a parlamentar alega que São Vicente regista 191 casos, quando a taxa mais próxima é de 42, pelo que a seu ver há uma diferença pela negativa na ilha do Porto Grande, assim como no caso de diarreia em criança de cinco anos sem desidratação, com São Vicente a registar 3835 ocorrências contra 1490 registada em Santa Catarina, a mais contígua.

No que concerne à diarreia com desidratação, a parlamentar sustenta que São Vicente marca a diferença pela negativa com 312 casos, quando a taxa mais próxima registada é de 35, e que no caso da hepatite a ilha de São Vicente detém de longe o pior resultado com uma taxa de 118 casos contra a taxa mais próxima de 34 ocorrências.

Filomena Martins apresenta ainda outros números que afectam São Vicente em patologias como a síndrome gripal em crianças, infecções respiratórias agudas (taxa superior a todo o território nacional), pneumonia em crianças com menos de cinco anos, varicela, com o agravante de São Vicente ter sido a única ilha do País com casos de salmonelose (38) e brucelose (05).

A deputada nacional disse que faz todo o sentido interpelar o Governo no sentido de tomar medidas urgentes, quando São Vicente regista 63 casos de tuberculose notificados na ilha pela Delegacia de Saúde, sendo a segunda pior do arquipélago, pelo que exige que o executivo dê aos profissionais de saúde condições para trabalhar.

Disse, entretanto, ter reconhecido os sacrifícios pessoais e profissionais com sentido e dotados de competências sempre em prol da prestação do melhor serviço aos sanvicentinos e promete continuar a exigir que o Governo resolva esta situação. Fonte: Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade



Mediateca
Cap-vert

blogs

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project