CORREIO DAS ILHAS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

São Vicente: Movimentos SOKOLS e MDSV alertam que a recandidatura do Edil Augusto Neves não é bom para a ilha 09 Outubro 2020

Em conferência de imprensa, realizada esta sexta-feira, 09, em São Vicente, os lideres do Movimento para o Desenvolvimento de São Vicente (Maurino Camões Delgado e Lídio Silva) e o Sokols 2017 (Salvador Mascarenhas) alertam que «o candidato do MpD às autárquicas de 2020 não é bom para São Vicente» e alegam «que a terra prometida de Augusto Neves (Edil cessante), um São Vicente para viver e ser feliz, é só mentira». Contestam, desmontando a afirmação do líder do MpD, atual Primeiro-ministro, segundo a qual Neves é um bom candidato à Câmara local.

São Vicente: Movimentos SOKOLS e MDSV  alertam que a recandidatura do Edil Augusto Neves não é bom para a ilha

Para os dois movimentos da sociedade civil que têm promovido várias manifestações de protestos contra as politicas públicas do atual governo e da Câmara para a ilha, o candidato do MpD apresentado à presidência da Câmara Municipal, com 11 anos no poder, tem prestado um mau serviço a São Vicente. Argumentam que Augusto Neves faz tudo para desviar a atenção do eleitorado dos “graves problemas” que o Município atravessa, por causa da má governação do atual executivo camarário.

E, por se tratar do Primeiro-ministro, os movimentos entendem que a atitude de aprovar tal governação de Augusto Neves, “apenas por razões eleitoralista”, é preocupante para os cabo-verdianos, porque, conforme sustentam, esta forma de fazer política não é o caminho do desenvolvimento para o País.

“Por isso, Senhor Presidente do MpD, Ulisses Correia e Silva, clamamos por uma nova forma de fazer política, com sentido de responsabilidade, com verdade e com princípios, manifestam, salientando que a função dos partidos políticos e dos grupos de cidadãos é de escolher os homens e as mulheres competentes e com sentido de estado para governar os Municípios”, apontam.

“Como é que Augusto Neves, 11 anos no poder, pode ser um bom candidato se ele não conseguiu resolver os problemas estruturais do Município, criando mesmo constrangimentos graves ao seu desenvolvimento? ”, questionam os dois movimentos da sociedade civil, reivindicado outras preocupações: “’E este Presidente que licenciou no Largo Damata/ Madeiralzinho, em 2017, um estabelecimento de diversão noturna, num rés-do-chão de um prédio de habitação sem o mínimo dos requisitos exigidos pela Lei e sem o respeito pelos moradores que no primeiro dia de funcionamento, apanhou -os desprevenidos, com os impatos das ondas sonoras de aparelhagens potentíssimas, que levou uma criança de dois anos que dormia no primeiro andar a saltar do berço, tal era o desespero, apanhada por uma crise de choro e que nem no regaço da mãe encontrava consolo, o bom candidato?”, enumeram, sem deixar de tecer outras críticas quanto ao licenciamento de outras construções, que os movimentos consideram de “ilegais”.

“É este Presidente que loteou e licenciou a construção de moradias na bacia de receção do canal de recolha de águas pluviais de Chã de Alecrim, mandado construir para proteger as populações, as instalações da Electra e a Praia da Laginha, potenciando desta forma, riscos de calamidade como o que acaba de acontecer na Cidade da Praia com as cheias, passando por cima de toda a contestação da opinião pública, que o Presidente do MPD disse que é bom candidato? É este Presidente que por inerência de funções é o primeiro responsável pela proteção civil no município que negou atender aos vários pedidos para intervir num determinado espaço, a fim de pôr cobro a situações de riscos de acidente grave que levaram moradores da Rua Cristiano de Sena Barcelos a ponto de darem uma conferência de imprensa em 31 de Maio de 2017, que se resume no essencial. É este Presidente que nas vésperas das eleições, em vez de estar preocupado com o combate ao coronavírus, em manobras puramente eleitoralistas, promove e estimula a regularização de assentos informais sem políticas de enquadramento urbanístico com todos os inconvenientes para as soluções de Cidades Sustentáveis, Seguras e Saudáveis, que se chama o bom candidato? ”, reclamam.

Diante de tudo isto, o Movimento para o Desenvolvimento de São Vicente e o SOKOLS entendem que perante a “gestão danosa” do Município de São Vicente, durante 11 anos, será “espantoso” ouvir, da boca de Augusto Neves, prometer fazer de São Vicente a melhor Ilha para viver e ser feliz.

“Pois bem: o senhor Gregório Fernandes, conhecido por Griga, emigrante em Holanda, depois de uma vida de muito trabalho regressou à Terra Natal. Comprou um apartamento na Rua Cristiano de Sena Barcelos, trouxe todo o mobiliário, preparou-se para viver tranquilamente na sua terra. Surgiram problemas de vizinhança devidos a licenças abusivas e ilegais de festas autorizadas pelo Presidente da Câmara que não deixavam as pessoas dormir e outros problemas, dirigiu-lhe uma exposição relatando os fatos, esperou dois anos por uma resposta. Cansado da situação, disse para os amigos: eu queria passar a reforma na minha terra, mas vou regressar para a Holanda, onde cada virgula está no seu lugar. E foi-se embora”, apontam as fontes numa cítrica clara à gestão do Edil cessante Augusto César Neves.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project