CORREIO DAS ILHAS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Santo Antão: Moradores da localidade de Caibros exigem estrada de raiz há muito prometida 13 Setembro 2022

Moradores da localidade de Caibros exigem a construção de uma estrada de raiz para dar acesso à localidade que, conforme dizem, é uma “promessa” de várias campanhas eleitorais.

Santo Antão: Moradores da localidade de Caibros exigem estrada de raiz há muito prometida

Chegar ao vale de Caibros de Ribeira de Jorge, no concelho da Ribeira Grande, Santo Antão, depois das últimas chuvas, não tem sido fácil conforme constatou a reportagem da Inforpress.

A via de acesso, construído nos idos do tempo colonial, fica no leito da ribeira e, portanto, ficou destruída devido às fortes cheias que atingiram o concelho da Ribeira Grande.

São aproximadamente quatro quilómetros de Boca de Ambas Ribeira até à descida de Lombo Diogo, num percurso íngreme, sem segurança, com um piso esburacado e irregular. Uma situação que piorou nos últimos dias e que atormenta os mais de 500 habitantes deste vale.

Corsino Lima, morador de Caibros, afiançou que desde a construção do acesso ao vale são feitos alguns ajustes na estrada, no entanto tem sido “insuficiente” para resolver este “grave e sério” problema de acessibilidade.

Conforme o nosso entrevistado nessa estrada já houve alguns acidentes que até ceifaram vidas. Com as últimas chuvas, disse Corsino Lima, a população ficou isolada sem conseguir circular com medo devido à falta de segurança.

“O caminho ficou destruído, pois numa parte do troço da estrada caiu um pedaço de rocha que dificulta a nossa circulação. Estamos frustrados e sentindo enganados. Na época das campanhas eleitorais foi prometida a construção de uma estrada de raiz e até ao momento nada foi feito” rematou.

Outro morador do vale de Caibros, Santos Alberto, acentuou que não conseguem circular com animal nem tão pouco a pé para poderem transportar os seus produtos.

“Estamos encurralados no meio de um precipício. Sou proprietário de uma viatura que circula diariamente nessa estrada e temos tido muitos constrangimentos. É uma coragem diária andar nesta estrada” atestou.

Santos Alberto relembrou que na última campanha a população ameaçou não ir às urnas mas foi prometido que a construção da estrada do vale de Caibros seria “prioridade das prioridades”.

Uma promessa que até ao momento, segundo Santos Alberto, não passou de uma tentativa de “ludibriar” os moradores para que estes pudessem votar.

“Fomos enganados, já fizeram vários abaixo-assinados que foram entregues ao Governo e até então estamos à espera de uma resposta” afirmou.

Sandro Lima que também é condutor e morador de Caibros afirmou que as autoridades já estiveram no local, têm conhecimento do perigo que os moradores estão expostos, mas “não fazem nada”.

“Por isso questionamos o porquê de até ao momento nada ter sido feito. Neste momento estamos aqui com uma mãe que está a levar o seu filho para o hospital andou toda essa ribeira em cima de pedra e água. Uma situação que coloca em perdido a vida dela e do filho. Todos os anos é a mesma coisa”.

“Será que a nossa comunidade não faz parte de Santo Antão e de Cabo Verde” questionou Sandro Lima.

Na mesma senda, o presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande, Orlando Delgado juntou a sua voz às reivindicações da população de Caibros de Ribeira de Jorge.

“A população está desesperada e a câmara municipal também em relação à não resposta da parte das instituições. Acho que em Cabo Verde, neste momento, não tem nenhuma prioridade a nível nacional de estradas que pode ser mais urgente que a de Caibros” enfatizou.

Por isso, Orlando Delgado reclamou uma intervenção a nível nacional e disse que espera que o Governo, que é de todos, “acuda” a população que vive essa situação “dramática”.

Antigamente, prosseguiu o edil ribeira-grandense, as pessoas conseguiam circular, mas com a rocha que caiu não é possível.

Por isso a autarquia, segundo Orlando Delgado, começou a “tentar” limpar o caminho para subir em outra via, ou seja, de Lombo de Fajazinha para poderem descer até ribeira para depois subirem em outro planalto Fajã de Maurícia para fazem um trajecto que antes era feito em 15 minutos e agora passou a ser feito em, praticamente, uma hora e meia.

“Daí que ache que esta situação é, de facto, urgente, gritante e hoje apelamos ao Governo de Cabo Verde, porque não é um projecto da câmara municipal, pois não temos capacidade para executá-la”, afiançou.

Orlando Delgado, garantiu que se trata de uma estrada nacional que está no Boletim Oficial (BO) e como tal espera que, desta vez, as obras arranquem.

O edil observou ainda que o Estado todos os dias inaugura estradas até em zonas que tinham calçadas de “primeiríssima” para colocarem asfalto.

“Nós não estamos a pedir isso, estamos a pedir uma acessibilidade à zona de Caibros que é uma estrada que é da população que também é Cabo Verde para poderem sair de lá nas melhores condições de segurança”, alegou.

Caibros de Ribeira de Jorge fica localizado num vale com grandes potencialidades agrícolas e turísticas e, do ponto de vista da população residente, a construção da estrada é uma prioridade inquestionável. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project