CORREIO DAS ILHAS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Santo Antão: Planalto Leste à espera do plano de recuperação dez meses após incêndio 23 Maio 2019

O perímetro florestal do Planalto Leste (Santo Antão) continua ainda à espera do plano de recuperação, dez meses após o incêndio de grandes proporções que ardeu 200 hectares desta floresta, área correspondente a 13% da reserva.

Santo Antão: Planalto Leste à espera do plano de recuperação dez meses após incêndio

O plano de recuperação da floresta, orçado em 30 mil contos, encontra-se, todavia, pronto para começar a ser implementado, o que deve acontecer “o mais rapidamente possível”, conforme garantias do Ministério do Ambiente e Agricultura (MAA) à Inforpress.

“Estamos à espera do financiamento e esperamos iniciar, o mais rapidamente possível, com as obras de conservação de solos e água mas, também, com a reposição das plantas, que acabaram por morrer”, confirma o delegado do MAA na Ribeira Grande de Santo Antão, Orlando Jesus.

Este responsável explicou que parte da zona consumida regenerou pelo que disse acreditar que nos próximos três anos a situação da zona afectada por esse incêndio de grandes proporções deverá ficar reposta.

Enquanto isso, o MAA, no quadro do seu plano de investimentos anual, tem estado a realizar outros projectos com as associações locais, sobretudo a nível de limpeza da floresta, produção e plantação de plantas endémicas, além de conservação de solos e água.

É o caso da associação em Lagoa do Planalto Leste, localidade onde estão a ser implementadas acções como construção de diques e cisternas, além de conservação de solos, estimadas em quatro mil contos, financiadas pelo Fundo do Ambiente.

O plano de recuperação da floresta, devastada pelas chamas em Julho de 2018, contempla, entre outras acções, a produção de plantas, reflorestação e conservação de solos e água, bem assim a limpeza e informação e sensibilização das populações.

Além da montagem de um sistema de vigilância nesse perímetro, que desde 1994 tem sido alvo de frequentes incêndios, o plano abarca ainda na revisão da lei florestal em Cabo Verde que deste a sua aprovação, há mais de 90 anos (1928), foi revista apenas uma vez (1989).

Criado há mais 150 anos, a floresta do Planalto Leste, com 1.600 hectares de extensão, foi declarada reserva florestal em 1990.

O perímetro alberga “uma boa parte” do parque natural de Cova/Paul/Ribeira da Torre, com uma área de 2.092 hectares, considerado o maior centro de biodiversidade de plantas endémicas em Cabo Verde, com 36 espécies.

A candidatura de Santo Antão a património mundial da agricultura, que está a ser preparada há um ano, por uma equipa liderada pelo MAA, inclui “parte da floresta” consumida pelo incêndio de Julho de 2018.

Os presidentes das câmaras nesta ilha sugeriram ao Governo o reforço da vigilância na floresta do Planalto Leste durante o período mais crítico do ano (Junho a Agosto), a chamada época dos incêndios, medida que, segundo os autarcas, deve passar, também, pela colocação de um destacamento militar nessa zona.

Isso, numa altura em que Santo Antão prepara-se para receber, em Julho, uma conferência internacional sobre a gestão e manutenção das florestas, numa iniciativa das câmaras municipais desta ilha, em parceria com a União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA), Governo e com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

Os municípios desta ilha têm vindo a defender a necessidade de se fazer uma reflexão sobre as políticas florestais em Cabo Verde, que devem privilegiar aspectos como a manutenção e gestão das reservas florestais. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau

blogs

publicidade

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project