ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Contestações à liderança da UNTC-CS: Responsáveis do SLTSA afirmam que estão a ponderar em abandonar a organização 19 Junho 2018

A actual liderança da União Nacional dos Trabalhares de Cabo Verde-Central Sindical conhece mais uma contestação. O Secretário-permanente do Sindicato Livre dos Trabalhadores de Santo Antão (SLTSA), Carlos Bartolomeu Lima Gomes, anunciou hoje,18, em declarações à Inforpress, que a direcção daquele sindicato está a ponderar suspender a sua filiação na UNTC-CS. Tudo por causa da alegada interferência da Secretária-geral da organização na vida do Sindicato Livre de Santo Antão. Já Joaquina Almeida, refutas as acusações, replicando trata-se de uma “acusação falsa, despropositada, gratuita e sem nexo”.

Contestações à liderança da UNTC-CS: Responsáveis do SLTSA afirmam que estão a ponderar em abandonar a organização

Este pronunciamento do Secretário-permanente do Sindicato Livre dos Trabalhadores de Santo Antão à presidência de Joaquina Almeida vem juntar a vários outros e processos judiciais, movidos por dirigentes de outros sindicatos filiados na UNTC-CS, como SICOTUR (Sal), SINDEP, SISCAP e STIF, estes três últimos com sede em Santiago.

“Analisamos a situação de uma forma respeitosa, concluímos que a situação não pode continuar como está”, disse Carlos Bartolomeu que afiram não reconhecer a liderança da actual secretária-geral da UNTC-CS, Joaquina Almeida, a quem acusa de “tentativa de ingerência nos assuntos internos do SLTSA”.

Segundo Inforpress, Carlos Bartolomeu acredita que a líder da União Nacional dos Trabalhadores Cabo-verdianos – Central Sindical poderá estar a promover a criação de um novo sindicato na ilha de Santo Antão, tendo em conta que, em seu entender, essa é uma prática que Joaquina Almeida tem vindo a usar “quando não consegue entrar na gestão interna dos sindicatos, no caso o SLTSA”, em vez de tentar unir o sector laboral no sentido de todos trabalharem na defesa da causa justa que é a dos trabalhadores.

“A decisão ainda não é definitiva, mas foi colocada ‘em cima da mesa’ para análise”, disse Carlos Bartolomeu, queixando-se de não ter qualquer contrapartida das quotas que o sindicato tem vindo a pagar à UNTC-CS, razão porque diz sentir que o SLTSA está, simultaneamente, “dentro e fora” da Central Sindical em apreço.

“A decisão será tomada o mais breve possível”, garantiu o sindicalista referido.

SG refutas acusações do SLTSA

Entretanto, ouvida pela Inforpress, a secretária-geral da União Nacional dos Trabalhadores de Cabo Verde – Central Sindical (UNTC-CS), Joaquina Almeida, desmentiu as acusações de ingerência feitas pelo “colega e companheiro” Carlos Bartolomeu, considerando que “esta acusação não é nova”, pelo que é peremptória em garantir que se trata de uma “acusação falsa, despropositada, gratuita e sem nexo”.

“Nunca houve, nem haverá jamais, ingerência da UNTC-CS nos assuntos internos de qualquer sindicato”, afirma Joaquina Almeida, esclarecendo que “a UNTC-CS respeita a liberdade sindical, a autonomia e independência de todos os sindicatos”.

“Isso tudo não passa de uma manobra que o colega e companheiro Carlos pretende usar para desviar as atenções dos reais problemas dos trabalhadores de Santo Antão”, disse Joaquina Almeida, considerando que o sindicalista santantonense “nada tem feito para ajudar a defender os direitos e os interesses” dos trabalhadores de Santo Antão.

Joaquina Almeida deu como exemplo o caso de 13 trabalhadores da empresa MTCV que foram despedidos e procuraram a UNTC-CS, pedindo ajuda porque não foram apoiados pelo SLTSA e, agora, estão a ser suportados pelo Sindicato de Serviços e Trabalhos Domésticos, com delegação em São Vicente.

“Não está na forja a criação de, absolutamente, nenhum sindicato”, garantiu Joaquina Almeida, explicando que a criação de sindicatos não faz parte das atribuições de uma Central Sindical que “apenas apoia os sindicatos, segundo o princípio da solidariedade”, refere a Inforpress.

“Estamos abertos a conversar com ele e esclarecer os mal-entendidos que existam”, declarou Joaquina Almeida.

Crise e possíveis saídas

Vários são os dirigentes que estão preocupados com a crise por que passa a UNTC-CS, que vem desde a liderança de Julião Ascensão Silva. Esta incompatibilizou-se com alguns dos sindicatos mais representativos da central, como SINDEP, SISCAP, SICOTUR e STIF, a ponto de alguns terem suspendido o pagamento da quota na central. A crise prosseguiu com a actual presidente, que surgiu como delfinato de Júlio para dar a continuidade à estratégia deste. Mas Joaquina também incompatibilizou-se, logo de imediato, com Júlio Ascensão Silva, com críticas graves à sua gestão. Segundo alguns sindicalistas, Silva comenta, entre colegas, ter-se arrependido de apoiar Joaquina Almeida. Esta está inclusive em rupturas com alguns dos seus opinantes do último congresso, que suspenderam funções na direcção nacional.

Diante de tudo isto, grupos de reflexão andam a procurar uma solução para a alegada crise por que passa a UNTC-CS. Uns sugerem, pura e simplesmente, a saída dos sindicatos referidos e a criação de uma nova central sindical no país. Outros mais ponderados defendem a manutenção da marca UNTC-CS como sendo maior central sindical de Cabo Verde, com fortes relações junto de organizações congéneres internacionais. Um desiderato que passará por um movimento nacional com vista à convocação de um congresso extraordinário para eleger uma liderança federadora, mantendo todo os actuais sindicatos na organização e resgatando a imagem da UNTC-CS. Já uma terceira corrente apoiante da actual Secretária-geral defende o cumprimento na íntegra do mandato de cinco anos da actual equipa liderada por Joaquina Almeida. Vamos esperar para ver o que vai acontecer!

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert
Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project