OPINIÃO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

São Nicolau: Um encanto desamparado num canto do Atlântico 16 Maio 2019

Já no fim do mandato do governo do MpD, a ilha considerada berço da intelectualidade Cabo-verdiana encontra em jejum de projetos e investimentos do governo, aliás em quase todo país é este o cenário. No orçamento do estado para 2019, São Nicolau não foi tido nem achado, zero investimento e zero escudos, prova disso que não se vê nenhuma obra na referida ilha desde assunção do novo elenco ao poder. Medida injusta por parte do elenco governamental que só aumenta as assimetrias regionais do país.

São Nicolau: Um encanto desamparado num canto do Atlântico

A ilha de São Nicolau situada na região norte de Cabo Verde banhada pelo oceano Atlântico, passa por um despovoamento nos últimos anos, efeito de abandono dos sucessivos governos.

Se formos analisar os dados estatísticos, a ilha de São Nicolau é das três ilhas do arquipélago que menos contribui para o PIB nacional, abaixo de 2%.

A ilha de São Nicolau que outrora teve um papel estratégico no desenvolvimento de Cabo Verde e que muito tem dado a este país, com destaque para elevação do nome de Cabo Verde no mundo fora através da morna "sodade" e da preciosa obra "chiquinho" do Baltasar Lopes da Silva que impulsionou a literatura Cabo-verdiana com o movimento claridoso e ainda para não falarmos do autor do hino nacional ser nativo de São Nicolau, entretanto é hoje uma ilha à mercê da sua sorte.

As gentes de São Nicolau sentem-se desprezadas e abandonadas pelos sucessivos governos. Ainda que é assim, pelo menos na governação de José Maria Neves caiam algumas gotas de investimento nestas terras, mas hoje o tempo é de seca.

Já no fim do mandato do governo do MpD, a ilha considerada berço da intelectualidade Cabo-verdiana encontra em jejum de projetos e investimentos do governo, aliás em quase todo país é este o cenário. No orçamento do estado para 2019, São Nicolau não foi tido nem achado, zero investimento e zero escudos, prova disso que não se vê nenhuma obra na referida ilha desde assunção do novo elenco ao poder. Medida injusta por parte do elenco governamental que só aumenta as assimetrias regionais do país.

São Nicolau, um encanto abandonado num canto do Atlântico.
Uma ilha bem apetrechada com uma cultura viva e alucinante, coberta de grandes personalidades, betuminado de uma morabeza peculiar em Cabo Verde, pintada de enormes monumentos e sítios históricos e colorida com uma paisagem natural singular do arquipélago, é hoje um pôr-do-sol insignificante no horizonte do executivo liderado por Ulisses Correia e Silva. O abandono do governo é, ainda, agravada pela incapacidade dos representantes, deputados eleitos pelo círculo de São Nicolau, principalmente o eleito do MpD, em articular com o poder central, a resolução das questões críticas que põem em causa o desenvolvimento desta região, nomeadamente os transportes e o desemprego. Uma ilha sem riqueza que nutre pela sua comunidade emigrada.

O deputado eleito do MpD serve mais à companhia Binter e ao seu governo do que ao povo das terras do Paulino Vieira, que o elegeu. O mesmo eleito passa muito mais tempo a promover voos da Binter do que auscultar as preocupações, as inquietações da população de São Nicolau. Engraçado que, o referido parlamentar num jornal de praça denominado "O país", afirmava que, o governo liderado por Ulisses Correia e Silva está a realizar grandes investimentos em São Nicolau, no entanto, o próprio deputado no seu depoimento não conseguiu desvendar nenhum projeto do governo na nossa ilha. Caso para dizer que ele estava em gozação com os cidadãos da sua ilha.

O senhor eleito da nação baseia no bem-estar e no conforto dos seus amigos camaradas para generalizar de que São Nicolau e as suas gentes estão melhores com a governação sob comando do Ulisses Correia e Silva.

Uma ilha sem nenhum investimento e sem execução de nenhum projeto estrutural do governo que potencia o desenvolvimento, não pode estar bem, senhor deputado. Uma região com um enorme potencial na agricultura e turismo, um mar bastante rico em peixes, sobretudo em atum e atrativo para a pesca desportiva, atividades que podiam estimular a economia da ilha, caso tivessem uma atenção cuidada dos governantes do poder central e do local, sofrendo com a problemática dos transportes em Cabo Verde, não pode estar melhor com este governo, como o representante do MpD faz passar à nação Cabo-verdiana durante as suas intervenções no parlamento.

A economia da ilha de São Nicolau é altamente dependente das atividades agrícolas, pecuárias e pesca. Escavando as linhas de governação do executivo, não se nota nenhuma ideia orientada que permite uma elasticidade a estas atividades, neste pedaço do arquipélago.

Estar aqui a falar dos compromissos assumidos pelo Ulisses Correia e Silva para com o povo de São Nicolau é mesma coisa que aborrecer-me por culpa alheia.

O primeiro-ministro de Cabo Verde faltou com o respeito para com os cidadãos da ilha dos dragoeiros, ao prometer na sua última visita, a construção do porto de águas profundas na cidade do Tarrafal e sem referir aos projetos estruturantes para dinamizar a economia local e que nunca mais se pronunciou sobre os mesmos, caso da estrada litoral que liga a cidade do Tarrafal ao aeroporto da Preguiça, do cais de pesca e outros. Estranho é a passividade dos deputados eleitos pela ilha em não exigir o cumprimento das promessas feitas pelo líder do governo, Ulisses Correia e Silva.

O governo precisa dar mais atenção para a ilha da morna "sodade", acarinhar as dificuldades destas gentes, porque é lamentável essa situação de abandono.

O governo central deve ver com olhos de ver, que a ilha precisa de investimentos urgentes em saúde, educação, infraestrutura, agricultura, pesca e transportes, isso tudo, para que se possa fomentar aquilo que escasseia em São Nicolau, o emprego, em particular para os jovens.

Se o governo esquecer que São Nicolau também é Cabo Verde, que esta ilha tem soluções, de igual modo deve fazê-lo nas campanhas. Nem adiantam aparecer como cordeiros para caçar votos novamente e reafirmar compromissos ultrapassados, para mudar a realidade.

Por estes dias, o ministro das finanças, Olavo Correia visitou-nos e aproveitou para subestimar e gozar com a inteligência e capacidade dos Saonicolauenses, afirmando investimento do governo nos próximos três anos para a ilha, na ordem dos 700 mil contos e como se não fosse o suficiente, o então ministro foi mais longe na sua provocação, ao utilizar a sua página de Facebook para incitar pessoas a visitarem os encantos desta ilha, como se o senhor ministro fosse inocente da situação da problemática dos transportes para São Nicolau. Como é que podemos ter visitantes, senhor ministro, sem ligações aéreas e marítimas regulares com o resto do país e com os preços das passagens exagerados?

Os cidadãos eleitores não estão preparados para escolherem os seus representantes ao mais alto nível, só temos de se contentar com a imaturidade política dos nossos eleitos, com a mísera prestação destes a favor dos nossos interesses.

Se o governo não é por nós, quem vai ser por nós? Deus, claro.
São Nicolau tem repasses atrasados a regularizar com o Estado de Cabo Verde. É a hora de se acertar as contas.
Senhor São Nicolau, rogai por nós. Amém!

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau

blogs

publicidade

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project