LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

São Tomé e Príncipe: Principal partido da oposição "condena e distancia-se" de atos contra Estado de direito 23 Junho 2018

Reacções em São Tomé sobre uma alegada tentativa de assassinar Patrice Trovoada: Tristeza, repúdio, condenação e distanciamento de atos contra o Estado de direito.

São Tomé e Príncipe: Principal partido da oposição

Os suspeitos de uma alegada "tentativa de subversão da ordem constitucional, através do assassinato premeditado" do primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe, Patrice Trovoada,Gaudêncio Costa, deputado e membro da direção do MLSTP/PSD e o sargento Ajax Managem foram ouvidos na sexta-feira (22.06) em tribunal. Entretanto, os dois detidos já foram libertados e sujeitos à medida de coação de termo de identidade e residência. Ontem tinham sido acusados pelo ministro da Defesa e Administração Interna, Arlindo Ramos, da autoria do plano de golpe de Estado. Ramos mencionou ainda a existência e cúmplices estrangeiros, sem, no entanto, avançar pormenores.

MLSTP condena

O principal partido da oposição são-tomense emitiu um comunicado no qual "condena e distancia-se de atos que põem em causa o Estado de direito democrático, subversão da ordem constitucional e de atentado à vida".

O coordenador do principal partido da oposição, Américo Barros, recordou que os governos do MLSTP/PSD foram vítimas de vários atentados, com dois golpes de Estado consumados, e afirmou: "O MLSTP/PSD manifesta estranheza e total desconhecimento dos factos de que é acusado Gaudêncio Costa, razão pela qual exorta às autoridades a respeitar o princípio de presunção de inocência e evitar julgamentos na praça pública, e exige a exibição de provas que sustentam a acusação no referido caso".

A ocasião foi aproveitada para criticar a atuação do Ministério Público.

"O MLSTP/PSD lamenta profundamente o tratamento desigual e discriminatório da Procuradoria-Geral da República em relação a casos que dizem respeito a militantes e dirigentes do ADI", o partido Acção Democrática no poder.

ADI manifesta "tristeza e repúdio"

Por seu turno, o secretário-geral do ADI, Levy Nazaré, manifestou "tristeza e repúdio" pelo alegado "plano para assassinar o primeiro-ministro" Patrice Trovoada. Já ontem, em declarações aos jornalistas, Levy Nazaré salientou que o MLSTP-PSD nada tinha a ver com alegada tentativa de assassinar Patrice Trovoada.

"É bom que se diga que não é o partido político, o MLSTP, que é uma instituição, um adversário que nós respeitamos", frisando tratar-se de "algumas pessoas" dentro desse partido que podem estar envolvidas na alegada conspiração.

Levy Nazaré disse esperar que a Justiça "apure toda a verdade e que se responsabilize todas essas pessoas", apelando ao povo, particularmente os militantes do seu partido, para estarem "tranquilos, calmos, sereno e vigilantes, mas não deixando de fazer a sua vida normal".

Dúvidas

A notícia da tentativa de golpe de Estado divulgada pelo Governo foi recebida com ceticismo por analistas e observadores, tendo em conta o contexto atual: o Governo enfrenta várias dificuldades e a popularidade de Patrice Trovoada caiu consideravelmente.

Deodato Capela, responsável do Centro de Integridade Pública (CIP) disse em entrevista à DW que "ao ler o texto, fiquei em dúvida. Ontem foi dia 21 e o comunicado tinha data de 20, pareceu-me uma confusão. O Centro de Integridade Pública, por ser uma instituição da sociedade civil, tentou ver primeiro se a detenção do político tinha razão de ser. Uma vez que estamos a dois meses das eleições, pode-se dizer que isto é um bocado dúbio"

Ao referir-se às últimas medidas tomadas pelo executivo, Capela destacou que o Governo está com muitos problemas: "Nestes dois últimos dias houve aumento do preço de combustível. O custo de vida está alto..."

Além disso no passado dia 21 de junho caducou o prazo que um grupo de militares tinha dado ao primeiro-ministro para resolver determinados problemas nos quartéis. O responsável do CIP salienta que "tudo isso a acontecer na mesma altura. Qualquer cidadão mais ou menos atento pode perceber que há aí indícios de criar bodes expiatórios, para escamotear o verdadeiro problema ou desviar o foco de atenção para outra situação".

Enquanto isso os cidadãos continuam a fazer a sua vida normal. Não se viu qualquer reforço de segurança em edifícios públicos ou estratégicos, como por exemplo, o gabinete do chefe do Governo, o palácio presidencial ou as sedes dos órgãos de comunicação social estatais. C/DW

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert
Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project