Retratos

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

São Vicente: Federação homenageia ex-futebolistas da 1ª selecção que vice-presidente designa de “pelotão de heróis” 23 Junho 2018

Armandim Soares e Cadino foram titulares e Calú Pitão começou como suplente há 40 anos quando se iniciou a aventura da selecção, na Guiné-Bissau, frente à Guiné-Conakry, alvos, hoje (22 de junho), de homenagem da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF).

São Vicente: Federação homenageia ex-futebolistas da 1ª selecção que vice-presidente designa de “pelotão de heróis”

Ao Mindelo veio o vice-presidente da FCF, Inácio de Carvalho, ele próprio ex-internacional, que, na cerimónia de homenagem, ao fim da tarde de hoje, no Centro de Estágios do Mindelo, designou a selecção de futebol de 1978 de “pelotão de heróis”, segundo a Inforpres

E, explicou, “quase sem condições em todas as áreas”, num país que ainda não tinha completado três de independência, “abriram o caminho, foram heróis e fizeram história”, quando, pela primeira vez apareceu o nome de Cabo Verde em competições “lá fora”.

Hoje, ajuntou Inácio de Carvalho, devido à “bravura do pelotão de heróis”, o país, após fazer um “longo caminho”, afirmou o seu nome na arena desportiva internacional, onde é “conhecido e respeitado”.

“Queremos ir mais longe, e para continuar a transformar o sonho de há 40 anos em realidade não há outro caminho senão o trabalho”, aludiu Bala, como também é conhecido no meio futebolístico, que, por tudo isso, agradeceu, em nome da FCF, os três elementos de São Vicente, Cadino, a título póstumo.

Armandim Soares aproveitou a ocasião para homenagear os colegas da selecção de 1978 já falecidos, casos de Cadino, Djô de Pedra d´Lume, Quim e Rubom.

Parco em palavras e com a voz embargada, agradeceu e classificou a iniciativa da FCF de louvável. “Lembraram-se de nós e é um marco para nós próprios, familiares e amigos”, considerou.

Cada um dos homenageados – Cadino representado pelo filho Valdir -, recebeu das mãos do vice-presidente da FCF uma camisola personalizada da selecção, de cor verde, precisamente a cor do equipamento do jogo Cabo Verde – Guiné-Conakry, na Guiné-Bissau, em Abril de 1978, derrota de 0-2, segundo Armandim, a contar para a Taça Amizade.

Mané Djodje, que tinha já sido homenageado na Cidade de Praia, juntou-se aos colegas de São Vicente na cerimónia de hoje.

Para a história fica o onze inicial desse jogo, o primeiro da selecção de Cabo Verde como Nação independente: Quim, na baliza; Dani Pinto, Mané Djodje, Flávio e Djudju, na defesa; Macuna, Djoi di Mama, Branco e Cadino, no meio-campo; Armandim e Zé di Nhanha, como avançados. Fonte: Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert
Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project