Presidenciais 2021

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

São Vicente: Candidaturas alertam sobre aumento da criminalidade e defendem que o próximo PR dever exercer o seu poder de influência para travar este fenómeno social 13 Outubro 2021

A par da situação de criminalidade em São Vicente, a comunicação social recebe, quase todos os dias, notas da Polícia Judiciária sobre crimes graves que vêm sendo cometidos na ilha e também um pouco por todo o resto de Cabo Verde. As candidaturas para as eleições presidenciais de 17 de outubro, que têm vindo a acompanhar a criminalidade no país, consideram ser alarmante esta situação, que é a consequência da pandemia e que o eleito do dia 17 deve exercer uma magistratura de influência forte para travar esse fenómeno social, em parceria com o Governo e demais instituições da República.

São Vicente: Candidaturas alertam sobre aumento da criminalidade e defendem que o próximo PR dever exercer o seu poder de influência para travar este fenómeno social

Lídio Silva, mandatário da candidatura de Hélio Sanches, lamenta que a situação de criminalidade reinante em São Vicente e no resto do país, que considera ser “alarmante”. Silva indica que a situação económica e financeira e o desenvolvimento económico e social, “que na teoria existe, mas que na prática, infelizmente ainda não conseguimos debelar as nossas dificuldades”, são resultados da pandemia e de um país que “infelizmente está ancorado somente ao turismo”.

Contudo, destaca, a candidatura está confiante no Hélio Sanches, por ser um jovem “dinâmico”, com muito conhecimento, humilde” e está a acompanhar as diversas situações e tomar os seus apontamentos para o momento certo.

Quem considera a situação de criminalidade em São Vicente “mal-acompanhada e mal abrangido” é o mandatário José Delgado da candidatura de Fernando Delgado, para quem as pessoas estão a praticar crimes porque estão com a “mente desocupada”.

“Mas quando ocupados com trabalho com responsabilidades não há tempo para pensar em asneiras e praticar crimes”, salienta este mandatário, que acredita que a Polícia Judiciária “não tem feito um bom trabalho” e que deveria fazer mais, porque, acrescenta, é uma classe subsidiada em muita coisa e “têm muitas condições para fazerem mais e melhor”.

Já a candidatura de José Maria Neves na ilha, conforme a mandatária Helena Leite, sublinha o papel “importantíssimo” que o PR pode ter sempre em concertação, em parceria e em diálogo com as instituições envolvidas.

Helena Leite diz que a candidatura, e não só, tem assistido crimes violentos com armas de fogo, arma branca. Salienta que há assim um recrescimento enorme da criminalidade e lamenta que este fenómeno esteja a se espalhar por todas as ilhas, por falta de condições socias dignas para as pessoas, principalmente no que se refere à falta de emprego que dificulta uma vida mais digna, tranquila e harmoniosa, sem precisar recorrer a criminalidade.

A mandatária relembra que, durante os mandatos anteriores de JMN, enquanto Primeiro-Ministro, a ilha de São Vicente recebeu mais duas esquadras de polícia e a nova sede da PJ para o combate â criminalidade.

Já Eva Marques, mandatária da candidatura de Carlos Veiga sublinha que a segurança é um dos papéis fundamentais do Estado, que é garantir a segurança dos cidadãos. Afirma que, em relação a segurança é algo que o candidato vai fazer influência e destaca que São Vicente já tem vídeo vigilância implementado.

“Sabemos que com a situação de pandemia veio deteriorar condições económicas e sociais das pessoas que tiveram a sua capacidade de trabalho muito limitada, e é natural que isso repercutisse em termos de segurança”, explica esta mandatária de CV.
Apesar de várias tentativas, este jornal não conseguiu conversar com as candidaturas de Casimiro de Pina, Gilson Alves e Joaquim Monteiro para uma avaliação da situação de criminalidade em São Vicente.

No entanto, sabe-se que a candidato Casimiro de Pina foi recebido esta terça-feira à tarde, na ilha do Fogo, com festa por familiares e amigos que declararam o seu voto ao candidato. Casimiro percorreu ruas de São Filipe, logo à sua chegada, para apresentar-se como candidato e falar do seu projeto de Presidência da República.

Quem também esteve na ilha do Fogo foi o candidato Gilson Alves que visitou Chã das Caldeiras nesta terça-feira, enalteceu a resistência desse povo, que poderá ser a “grande inspiração” na construção do “grande Cabo Verde”.

No mesmo dia no mercado de Assomada, no concelho de Santa Catarina, o candidato Joaquim Monteiro questionou as razões das dificuldades dos imigrantes da sub-região africana em conseguirem a nacionalidade cabo-verdiana.

AC/Redação

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project