REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Separatistas cortam laços formais com monarquia 23 Junho 2018

Os líderes políticos separatistas catalães mostraram, esta sexta-feira, o desprezo pelo rei de Espanha, anunciando que a partir de agora não irão convidar o monarca para nenhum evento oficial na região.

Separatistas cortam laços formais com monarquia

O presidente do governo catalão, Quim Torra, afirmou esta sexta que nem ele, "nem nenhum outro membro" do executivo regional "assistirá a nenhum ato" oficial organizado "pela monarquia espanhola", e também não convidará a casa real "a eventos organizados pela Generalitat (Governo regional)".

A porta-voz do Governo de Madrid, Isabel Celaá, avisou esta tarde o presidente catalão que, se a Generalitat decide não convidar o rei para nenhum evento, não haverá problema para o monarca, mas sim para a Catalunha, significando que o executivo regional não representa toda a comunidade autónoma.

Por outro lado, Torra anunciou que irá assistir esta noite à inauguração, em Tarragona, na Catalunha, dos Jogos do Mediterrâneo, um evento presidido pelo rei de Espanha, Felipe VI, que recusou na quinta-feira um encontro com o líder separatista à margem do evento.

O presidente da Generalitat queria falar com o rei sobre as pretensões dos separatistas e pedir explicações ao monarca pela sua posição contra o referendo de autodeterminação que se realizou na região em 01 de outubro de 2017 e que foi considerado ilegal pelas autoridades.

"Nós não somos súbditos, nós somos cidadãos", disse Quim Torra, que irá a Madrid a 09 de julho próximo para uma reunião com o novo primeiro-ministro, Pedro Sánchez.

Os Jogos do Mediterrâneo são um evento desportivo celebrado por países banhados pelo Mar Mediterrâneo que se realizam de quatro em quatro anos em locais escolhidos previamente.

O governo separatista catalão liderado por Carles Puigdemont organizou em 01 de outubro de 2017 um referendo sobre a autodeterminação da Catalunha que foi considerado ilegal pelo Tribunal Constitucional.

Os separatistas não aceitam essa interpretação sobre a consulta popular que consideram terem vencido com uma elevada maioria, depois de os partidos unionistas terem apelado ao seu boicote.

O Governo central decidiu intervir diretamente na região no final de outubro de 2017 e organizou eleições regionais em 23 de dezembro do mesmo ano que voltaram a ser ganhas pelos partidos independentistas que continuam a insistir na autodeterminação da região.

O Partido Socialista Operário Espanhol, agora no Governo, sempre apoiou todas as decisões relacionadas com a Catalunha tomadas pelo anterior executivo do Partido Popular (direita). Fonte: JN

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert
Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project