INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Shireen Abu Akleh: Investigação independente acusa Israel 17 Maio 2022

Quem vive no território palestino ocupado por Israel já se habituou à experiência diária da violência. Mas o assassínio da jonalista Shireen Abu Akleh — que uma investigação independente confirma ter sido perpetrado pelo exército de Israel, que já matou mais de 50 jornalistas da Palestina desde 2002 — assume um valor simbólico que a diáspora palestina está a .destacar em vigílias pelo mundo.

Shireen Abu Akleh:  Investigação independente acusa Israel

A investigação por grupos independentes está a confirmar os relatos de que foram soldados de Israel a disparar sobre a jornalista que envergava o colete de imprensa, enquanto cobria um conflito em Jenin na quarta-feira passada.

"Com base no que pudemos analisar, a IDF (soldados israelitas) estava na posição mais próxima e tinha a linha de visão mais clara para Abu Akleh", disse Giancarlo Fiorella, o principal investigador do Bellingcat (consórcio de jornalistas sediado nos Países-Baixos) neste caso.

Mais de cinquenta jornalistas mortos segundo a Associação de Jornalistas da Palestina, além de mais de 140 jornalistas feridos na cobertua no território nos últimos quatro anos, segundo a RSF-Repórteres sem Fronteiras,

A morte de Shirreen acpntece um ano depois do ataque israelita a um prédio com várias delegações de imprensa (BBC, Al-Jazeera...) na Faixa de Gaze e de que resultou a morte de 232 palestions, 54 dos quais cianças.

Fontes: BBC/AFP/CBC.ca/Irish Times/Telegraaf.nl. Fotos(AFP): Em Montreal, uma vigília por Shireen Abu Akleh cujo assassínio assume um valor simbólico maior na diáspora palestina pelo mundo.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project