LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Sindicato dos Jornalistas da Guiné-Bissau afirma que novas licenças são “forma civilizada” de acabar com imprensa 02 Dezembro 2022

A presidente do Sindicato de Jornalistas da Guiné-Bissau, Indira Correia Baldé, afirmou hoje que as novas licenças para a comunicação social exigidas pelo Governo são uma forma “civilizada” de acabar com a imprensa no país.

Sindicato dos Jornalistas da Guiné-Bissau afirma que novas licenças são “forma civilizada” de acabar com imprensa

Nós entendemos que esta medida é uma forma civilizada de acabar com os órgãos de comunicação social na Guiné-Bissau, porque o Governo sabe que esta medida não é exequível. Não há órgãos de comunicação social com meios para cumprir este despacho”, disse Indira Correia Baldé, em declarações aos jornalistas na Casa dos Direitos, em Bissau.

O Governo guineense publicou, com data de 18 de outubro, um despacho conjunto dos ministros das Finanças, Ilídio Vieira Té, e da Comunicação Social, Fernando Mendonça, no qual fixa novos valores para aquisição de alvarás para atividades de radiodifusão, televisão, jornais e filmagens no país.

Para se ter licença para rádio privada com cobertura nacional, o pretendente terá de pagar ao Estado 10 milhões de francos cfa, o equivalente a 15 mil euros, 500 milhões de francos cfa, cerca de 760 mil euros, para adquirir alvará para televisão privada que alcance todo o território guineense.

Quem quiser abrir uma rádio comunitária terá de desembolsar o equivalente a 4500 euros, e se for um jornal privado o custo de alvará é de três mil euros, refere o despacho.

O Governo recorreu a esta forma para pura e simplesmente fazer calar a comunicação social na Guiné-Bissau”, afirmou a presidente do Sindicato de Jornalistas, salientando que a lei foi fabricada “entre quatro paredes” e sem a classe ser ouvida.

Para Indira Correia Baldé, o Governo está a “mostrar a verdadeira face de que é contra a liberdade de imprensa e de expressão”.

Todos nós sabemos no país em que estamos, todos nós sabemos em que condições os órgãos de comunicação social trabalham. O Governo além de calar a imprensa, quer mandar centenas de pessoas para o desemprego”, afirmou.

O Governo está sistematicamente a mostrar que é contra a liberdade de imprensa e de expressão na Guiné-Bissau e então quer dizer que está contra a democracia e nós estamos num país democrático”, disse Indira Correia Baldé, salientando que o Governo devia era de estar a criar condições para ter uma comunicação social à altura dos desafios do país.
A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project