NOTÍCIAS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

“Tony Fica” brilha no espectáculo “Nu Kanta pa Moçambique” que levou milhares de pessoas ao Estádio da Várzea 29 Julho 2019

A actuacão do artista cabo-verdiano residente em Portugal, Tony Fica, foi o ponto alto do espectáculo “Nu kanta pa Moçambique”, realizado este sábado, e que se estendeu até manhã de domingo, atraindo milhares de pessoas ao Estádio da Várzea.

“Tony Fica” brilha no espectáculo “Nu Kanta pa Moçambique” que levou milhares de pessoas ao Estádio da Várzea

Tony Fika, antes de cantar os sucessos “Imagina”, N’teni Medo” e “Di Meu”, agradeceu pelo convite e enalteceu a solidariedade do público praiense por comparecer em grande número a este espectáculo beneficência.

“Temos que ajudar sempre porque o gesto solidário tem que fazer parte da natureza humana”, disse o artista.

Eram quase 22 horas quando o MC Sarababudja chamou ao sanvicentina Mindela Soares para abrir o palco, seguida por Zé Rui de Pina, Solange Cesarovna, que nos seus repertórios cantaram mornas e coladeiras.

Os Bulimundos de Zé di Nha Reinalda, Tito Paris, Boy G Mendes foram os “veteranos” que subiram ao palco para cantar também Moçambique.

Beto Dias, Gil Semedo deixaram também a sua performance dos anos 90, cantando seus grandes sucessos e lembrando sempre a necessidade de se cultivar o espírito solidário.

Eram 5:50 deste domingo quando os Fidjus di Codé di Dona fecharam o espetáculo ao ritmo de Cotchi Pó, que apesar do adiantado da hora e do cansaço, conseguiram mexer com público presente que dançou e cantou com o grupo.

Entretanto, ao longo do espectáculo cantaram ainda Mito Kakas, Apolo G, Lippi Monteiro, Mika Mendes, MC Tranka Fulha, Lavy, Ne Jan, Mannõ, e vários outros artista que decidiram emprestar a sua voz ao projecto beneficente “Kanta pa Moçambique”, uma iniciativa da Cruz Vermelha de Cabo Verde.

No passado mês de Março o ciclone Idai passou por Moçambique, Zimbabué e Maláui onde deixou rastos de pelo menos 786 mortos e afectou 2,9 milhões de pessoas no cômpto dos três países, segundo dados das agências das Nações Unidas.

Moçambique foi o país mais afectado, com 468 mortos e 1.522 feridos já contabilizados pelas autoridades moçambicanas, que dão ainda conta de mais de 127 mil pessoas a viverem em 154 centros de acolhimento, sobretudo na região da Beira, a mais atingida. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project