LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Tribunal britânico aprecia pedido de impugnação a financiamento de gás em Moçambique 06 Dezembro 2022

O Tribunal de Recurso britânico vai escutar hoje argumentos da organização ambientalista britânica Friends of the Earth para impugnar o financiamento do Reino Unido a um projeto de extração de gás natural em Moçambique.

Tribunal britânico aprecia pedido de impugnação a financiamento de gás em Moçambique

Em causa estão 1.150 milhões de dólares (1.095 milhões de euros no câmbio atual) prometidos pela agência de crédito à exportação britânica UK Export Finance (UKEF) para desenvolver o projeto gás natural liquefeito (LNG, na sigla em inglês) ‘offshore’ na bacia do Rovuma, em Cabo Delgado, norte de Moçambique.

A organização argumenta que o financiamento não foi devidamente avaliado em termos das emissões de gases com efeito de estufa, e que contraria o compromisso do Reino Unido para cumprir o Acordo de Paris sobre as Alterações Climáticas para limitar o aquecimento global.

"A UKEF não só ajudou a financiar o projeto como também não avaliou todas as emissões que produziria, enganando os ministros [britânicos] sobre a escala do seu impacto. Isto é um completo fracasso de governação credível e moralmente inaceitável numa crise climática”, acusou o chefe do departamento jurídico da Friends of the Earth, Will Rundle, num comunicado.

A Friends of the Earth calculou que, ao longo dos anos de atividade, o projeto vai resultar em até 4.500 milhões de toneladas de gases com efeito de estufa.

Mas a organização diz que a população local em Cabo Delgado já começou a ser afetada, nomeadamente agricultores e pescadores, e que mais de um milhão de pessoas foram forçadas a fugir nos últimos anos devido à violência e insegurança de ataques terroristas.

A área 1 do projeto está concessionada a um consórcio liderado pela petrolífera francesa Total, que teve de suspender as obras de construção do empreendimento devido aos ataques de grupos armados na província de Cabo Delgado.

Avaliado entre 20 e 25 mil milhões de euros, o megaprojeto de extração de gás da Total é o maior investimento privado em curso em África, suportado por diversas instituições financeiras internacionais e prevê a construção de unidades industriais e uma nova cidade entre Palma e a península de Afungi.

Antes de a construção ser suspensa, a primeira exportação de gás liquefeito estava prevista para 2024.

Uma primeira ação judicial da Friends of the Earth no Tribunal Superior de Londres acabou em março numa decisão dividida entre o coletivo de juízes, pelo que foi deferido o pedido de recurso.

A decisão do Tribunal de Recurso só é esperada no início de 2023.

A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project