INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Trump: "Vou morrer como o Stan Chera, vou?" — Para confirmação no Supremo e eleição de 3-11, Covid conta mais 06 Outubro 2020

O presidente, de 74 anos, teve alta hospitalar ao quarto dia, na segunda-feira, 5, pondo fim à angústia que o fez perguntar enquanto era levado de helicóptero da Casa Branca para o hospital se ia morrer como um amigo de longa data, Stan Chera vítima de Covid-19 em abril, aos 77 anos. Quatro dias depois, o quadro clínico melhorou "graças aos remédios milagrosos", diz Trump sobre fármacos como o Remdesivir.

Trump:

Ao deixar o hospital, o presidente dos estados Unidos enverga a máscara protetora anti-Covid. Retirou-a ao entrar no helicóptero e sem máscara voltou a entrar na Casa Branca, reporta a imprensa.

A Casa Branca está a ser apontada pela falta de transparência que desde quinta — segundo a informação mais recente de que o presidente já saberia estar com Covid — ou sexta-feira emana dos comunicados incompletos e tardios sobre a situação clínica do presidente.

Ou seja, toda a decisão de ocultação vem do presidente que quer transmitir ao público a ideia de que é menos grave a sua situação clínica. Já na sexta-feira, Trump recusou aceitar a seriedade da sua doença quando os médicos quiseram transferi-lo para o hospital militar.

"Ele disse que não iria para o hospital a um mês da eleição", revelou um próximo dele no Partido Republicano ao jornalista da Vanity Fair. Outras duas fontes disseram que os médicos deram um ultimato ao presidente: ou ele saía de imediato pelo seu próprio pé para o hospital ou seria mais tarde levado de maca.

Segundo outra fonte, o presidente acabou por aceitar dar entrada no hospital, só após o fecho das bolsas na sexta-feira.

A batalha do presidente doente contra o coronavírus tem, pois, além da frente sanitária outras frentes. E na frente política, quem está por enquanto a beneficiar são os democratas, hostis ao calendário acelerado para confirmar Amy Barrett no Supremo.

Primeiro, porque a questão sanitária vai determinar os trabalhos do Senado — como tal, constituído por pessoas mais idosas e vulneráveis à doença do coronavírus.

Na esfera do poder, os republicanos contam-se entre os doentes mais recentes, por terem participado na cerimónia organizada a 26 de setembro, no Rose Garden/Jardim Rosa da Casa Branca para a magistrada que Trump escolheu para o Supremo.

Na sexta-feira, tiveram testes positivos dois senadores da comissão judiciária do Senado, Mike Lee e Thom Tillis.

Todavia no sábado, enquanto um outro senador republicano, Ben Sasse, também da comissão judiciária, indicava que, embora com teste negativo, ia entrar de quarentena — por ter estado em interação com dois colegas positivos —, o líder dos republicanos no Senado, Mitch McConnell assegurava que os trabalhos para a confirmação iam continuar, como agendados, a partir de 12 de outubro.

— -
Fontes: Washington Post/N Y Times/ Fotos (AFP): Trump tem alta ao 4º dia. O presidente, a primeira-dama e outros participantes na reunião de 26 de setembro, para o ato de confirmação de Amy Barrett, testaram positivo. No extremo direito, a magistrada que Trump escolheu para o Supremo conversa com o senador Thom Tillis, que viria a testar positivo. Tal como os demais, ambos estão sem máscara e não seguem a regra dos 1,8 m de distância fixada pela OMS.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project