ECONOMIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

UCID diz que dados do INE sobre desemprego não reflectem a realidade cabo-verdiana e sugere revisão dos critérios 06 Abril 2018

O presidente da UCID, António Monteiro, disse hoje, 05, que os dados do INE, que apontam para a redução do desemprego em Cabo Verde em 2017, não reflectem a realidade do país e sugeriu a revisão dos critérios.

UCID diz que dados do INE sobre desemprego não reflectem a realidade cabo-verdiana e sugere revisão dos critérios

O líder da União Cabo-verdiana Independente e Democrática, que falava em conferência de imprensa, em São Vicente, começou a dizer que os dados mostram que Cabo Verde perdeu em 2017 cerca de seis mil empregados e que todo o resto dos argumentos para justificar a diminuição do desemprego “é pura ficção e pura fantasia”.

Conforme a Inforppress, acrescentou que esses números demonstram que os objectivos do Governo, que prometera criar, pelo menos, nove mil postos de trabalho, por ano, não estão a ser concretizados.

“Não só não conseguiram apresentar os nove mil postos de trabalho como reduziram em cerca de seis mil os postos de trabalho o que, numa simples aritmética, podemos dizer que o MpD e o seu Governo tiram do mercado de trabalho com aquilo que prometeram cerca de 15 mil pessoas em 2017”, calculou.

António Monteiro acrescentou ainda que os dados mostram que neste momento há mais pessoas desencorajadas, já que houve um aumento significativo do número de inactivos, tendo a taxa de inactividade atingido os 40,8 por cento (%).

“O MpD e o Governo, em 2016, vieram a público justificar o aumento do desemprego com a fé, a esperança e convicção que os cabo-verdianos tinham no MpD na altura e, por causa disso, houve uma diminuição dos inactivos. Um ano depois, o que nós temos o aumento de inactivos querendo isto dizer que a esperança que a população tinha no Governo acabou por desvanecer-se completamente”, disse.

Segundo ainda a agencia cabo-verdiana de noticias, o presidente da UCID sublinhou, por outro lado, que não faz sentido que num ano de seca seja registado uma diminuição do desemprego no meio rural e, por isso mesmo, salientou que os dados apresentados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), na passada terça-feira, não reflectem a realidade que se vive no país.

Citando os dados do INECV, lembra que a taxa de desemprego no meio rural caiu de 10 para 8% num momento em que, supostamente, devia haver maior número de desemprego relativamente a 2016.

Neste sentido, sugeriu não só ao INE como também as autoridades internacionais competentes na matéria, nomeadamente a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a revisão dos critérios de avaliação já que, conforme salientou, não abonam a realidade cabo-verdiana.

“Não se pode admitir que, num país como Cabo Verde, em que não há um instituto de emprego que tenha a capacidade de receber todos os cidadãos que estejam a procura de emprego, não há um subsídio do emprego, e, por isso, as pessoas não se inscrevem, termos os mesmos critérios da Europa ou de outros países”, anotou o líder da UCID, adiantando que ao utilizar esses critérios está-se a adulterar os números do desemprego no arquipélago, conclui a Inforpress.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade



Mediateca
Cap-vert

blogs

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project