REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

UNICEF: Número de crianças afectadas por conflitos atingiu "níveis chocantes" em 2017 29 Dezembro 2017

O número de crianças afectadas por conflitos atingiu "níveis chocantes” durante o ano de 2017. Esta informação é confirmada , através de um relatório publicado esta quinta-feira, 28, pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

UNICEF: Número de crianças afectadas por conflitos atingiu

Usadas como escudos humanos, mortas, mutiladas, violadas, abusadas, forçadas a casar, raptadas, recrutadas para combate e escravizadas, as crianças são vítimas de uma violência extrema, sem que as leis internacionais, designadas para as proteger consigam evitar estes abusos.

Além disso, milhões delas estão expostas a doenças infecciosas e a riscos diversos para a integridade física e moral, com falta de comida, água potável e cuidados de saúde.

O relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância, órgão que tem como objectivo, promover a defesa dos direitos das crianças, detalha os abusos registados nas principais zonas de conflito armados em 2017.

Este documento revela ainda, que só no Afeganistão foram mortas cerca de 700 crianças nos primeiros nove meses do ano. Na República Centro-Africana, depois de meses de confrontos, um dramático aumento de violência, conduziu à morte, violência sexual e recrutamento militar de crianças.

Já na República Democrática do Congo a violência levou à fuga de mais de 850 mil crianças e mais de 200 centros de saúde e 400 escolas foram atacados. Por conseguinte, na Nigéria e nos Camarões, o grupo terrorista Boko Haram forçou pelo menos 135 crianças a serem bombistas-suicidas, quase cinco vezes mais do que em 2016.

No Iraque e na Síria, as crianças foram usadas como escudos humanos, em zonas sob cerco, vivendo na primeira linha de bombardeios e violência.

O documento destaca ainda, sofrimento das crianças da minoria muçulmana rohingya, em fuga da Birmânia e que tentam sobreviver às condições desumanas a que estão sujeitas no Bangladesh, onde se refugiaram, escapando à "limpeza étnica" posta em marcha na Birmânia.

No Sudão do Sul, onde o conflito e uma economia em colapso levaram a uma crise de fome generalizada - mais de 19 mil crianças foram "recrutadas" por forças e grupos armados. Nesta mesma região, mais de 2300 crianças foram mortas ou feridas desde que o conflito rebentou em Dezembro de 2013.

Segundo a mesma fonte, na Somália, até Outubro, foram relatados 1740 casos de recrutamento infantil. No Iémen, cerca de mil dias de luta mataram pelo menos cinco mil crianças. Só aqui, mais de 11 milhões de crianças precisam de ajuda humanitária. Dos 1,8 milhões de crianças que sofrem de desnutrição, 385 mil estão gravemente desnutridas e correm risco de morte, se não forem tratadas com urgência.

O medo da morte faz também parte do quotidiano de mais de 200 mil crianças no leste da Ucrânia, onde vivem sob constante ameaça de minas e outros restos explosivos de guerra.

“As crianças estão a ser atacadas e expostas a ataques e a uma violência brutal nas suas casas, escolas e recreios. Estes ataques continuam ano após ano. Tal brutalidade não pode ser normal”, resume o director do Programa de Emergência da Unicef, Manuel Fontaine.

Em alguns contextos, sublinha o relatório, as crianças raptadas por grupos extremistas que se conseguem libertar acabam por ser sujeitas a novos abusos por parte das forças de segurança.

Perante estas situações, a organização internacional apela a todas as partes do conflito, para que cumpram as suas obrigações de acordo com a lei internacional e protejam as infra-estruturas onde estão civis, nomeadamente escolas e hospitais e pede aos países mais poderosos que “concentrem a sua influência para proteger as crianças” que sofrem directa e indirectamente com os conflitos.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert
Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project