INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Guerra Rússia/Ucrânia: Kiev e Moscovo dão sinais de esperança num acordo 16 Mar�o 2022

As autoridades russas e ucranianas deram hoje sinais de esperança num acordo que permita pôr fim à guerra iniciada pela Rússia em 24 de Fevereiro, apesar de admitirem dificuldades nas negociações.

Guerra Rússia/Ucrânia: Kiev e Moscovo dão sinais de esperança num acordo

Segundo escreve Lusa, horas depois de o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, ter admitido que as exigências da Rússia estão a tornar-se “mais realistas”, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, admitiu que há “alguma esperança” num compromisso.

“Concentro-me nos relatórios que os nossos negociadores nos estão a dar. Dizem que as negociações não são fáceis, por razões óbvias, mas há alguma esperança de um compromisso”, disse Serguei Lavrov numa entrevista à televisão russa RBC TV, citada pela agência espanhola Europa Press.

Representantes ucranianos e russos deverão retomar hoje a sessão negocial que iniciaram na segunda-feira, por videoconferência, para tentar terminar a guerra desencadeada pela invasão russa da Ucrânia, em 24 de Fevereiro, escreve Lusa.

PR ucraniano disursa no Congresso dos EUA que aprova novas ajudas

Entretanto, o líder ucraniano, que deve discursar hoje no Congresso dos EUA, agradeceu ao Presidente norte-americano Joe Biden e a "todos os amigos da Ucrânia".

Biden assinou na terça-feira uma lei que atribui 13,6 mil milhões de dólares (12,4 mil milhões de euros) em ajuda à Ucrânia.

Zelensky pediu mais armas e mais sanções para punir a Rússia e repetiu o apelo para "fechar os céus sobre a Ucrânia aos mísseis e aviões russos".

Segundo acrescenta a Lusa, o governante disse que na terça-feira as forças russas foram incapazes de avançar no território ucraniano e continuaram um forte bombardeio de várias cidades.

Na terça-feira, 28.893 civis conseguiram fugir dos combates ao longo de nove corredores humanitários, embora os russos não tenham permitido a entrada de ajuda humanitária na cidade de Mariupol, disse Zelensky.

A Rússia lançou a 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já causou pelo menos 691 mortos e mais de 1.140 feridos, incluindo algumas dezenas de crianças, e provocou a fuga de cerca de 4,8 milhões de pessoas, entre as quais três milhões para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project