REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Vai prò espaço! – Há 60 anos o 1º foi: Gagarine 12 Abril 2021

Em 12 de abril de 1961, Yuri Gagarine foi o primeiro ser humano no espaço. A primeira órbita da terra completada por um ser humano, um grande passo para a humanidade. Precursor do "pequeno passo para o homem, um grande passo para a humanidade", do primeiro a pisar o solo lunar, Neil Armstrong. Mas Gagarine já não o ouviu, que os heróis morrem jovens.

Vai prò espaço! – Há 60 anos o 1º foi: Gagarine

Dois-terços dos cabo-verdianos ainda não tinham nascido, mas o Vai prò espaço!, sim, havia séculos já na versão em língua 1 do mesmo pensamento.

Mesmo em dúbio sentido o próprio e o figurado a entrelaçam-se, com organização e formatação diversas. E mesmo se os constituintes com o seu núcleo na mesma base vocabular se encontram em todas as línguas do sistema educativo nacional mais recente ... há uma parte do espírito que se esconde metamorfoseado era em imperativo dirigido a um interlocutor, em hora muito má; ora em jocosa forma de esconjuro do discurso informal; enfim, parte do património mais precioso, muitas vezes insuspeito — que criamos na língua primeira e recriamos na segunda e nas mais que sejam .... E prossigamos orientados pela segunda parte do título.

Em 1961, Yuri Gagarine foi pois o primeiro ser humano no espaço. Esteve no espaço aos 26 anos, um orgulho para a Rússia soviética. Com repercussão bem estudada para o hemisfério comunista. Hoje diríamos para a humanidade, se novas fronteiras e novos muros, inter e extra planetários, não se estivessem a erguer. Mesmo se omnipresente, com as suas pétalas floridas e pés espinhosos, é a humanidade de que falavam os clássicos do século XIX e que continuamos a ler dois séculos depois. Afinal as nossas raízes vão sempre mais fundo do que o presente.

O destino imperioso (mas falível porque humano) teceu-lhe aos 26 anos a teia da fama eterna. Mas foi a inexorável e imprevisível cara-metade da vida que teve a última palavra. A sempre imprevisível na hora incerta impediu-o de acompanhar os milhões dos seus semelhantes que assistiram em julho de 1969 à etapa seguinte da grande aventura exoplanetária.

De facto morreu jovem, como o herói acarinhado pelo poder do hemisfério comunista em 27 março de 1968, 18 dias depois de completar os trinta e quatro anos.

60 anos depois, os dois hemisférios juntos aplaudem-no contidamente. Em Moscovo, há flores, há discursos...

No mundo organizado, instituiu-se o Dia dos Cosmonautas há dez anos — embora seja intrigante a aprovação de apenas menos de um terço das nações com representação na assembleia da ONU.

Há também mais discursos sobre a linha de continuidade, também com novos protagonistas, mais a oriente. E vamos, de década em década, lembrar Gagarine.

Fotos: A cápsula da nave Vostok 3KA-2, vendida em leilão a 12 abril de 2011 por $2,88 M. O seu dono é um particular e é a única peça da aventura espacial russa que está fora do museu. Monumento ao cosmonauta mede 42,5 metros e situa-se na capital.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project