MUNDO INSÓLITO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Ver túmulos de Faraós, Rainhas e mordomos, Rainha Isabel II custa 3,5mil CVE 03 Outubro 2022

Desde há uma semana que a última morada da Rainha Isabel se tornou um lugar de muita procura turística, com filas a formarem-se desde antes da abertura do edifício onde jazem os dois últimos pares reais. Entre os turistas, há "súbditos" da Commonwealth nuito comovidos enquanto entre os súbditos britânicos se destaca mais a indignação com as vinte e oito libras e meia que custa o ingresso.

Ver túmulos de Faraós, Rainhas e mordomos, Rainha Isabel II custa 3,5mil CVE

Nada se disse ainda sobre se o que está a acontecer no palácio de Windsor faz parte da ’Operation London Bridge’ / ’Operação Ponte de Londres’ preparada desde 1962.Recorde-se que há um ano, o palácio real britânico expressara ser "preocupante a falha na segurança" que revelara o segredo. "Será tratada como traição" a fuga (propiciada pela última atualização requerida em 2020 devido à crise pandémica em curso) sobre o plano detalhado das exéquias da rainha.

A ’Operation London Bridge’ / ’Operação Ponte de Londres’ era, até o ano passado, o secretíssimo plano detalhado de quase sessenta anos. Este ano voltou a ser referid que a rainha estava a trabalhar nele. Também foi revelado que a monarca presidiu a preparação detalhada do seu funeral.

Decerto que essa preparação abrange a mega-operação de marketing em curso. Afinal, é longa a história da busca da imortalidade.

Winsdor não difere pois de Luxor, Aswan, lugares do Egipto que são chamariz turístico. E além das figuras do topo, até se descobre agora que uma rainha suprema podia construir túmulos faraónicos para um fiel servidor.

Veja-se: os túmulos dos mordomos da rainha regente da XVIII dinastia há seis anos que se tornaram uma atração turística em Luxor e Asuan, após a restauração empreendida pelo Ministério das Antiguidades Egípcias.

O túmulo de Djehuty em Asuan, na foto, é o mais magnificente túmulo dos servidores domésticos de Hatshepsut, "Suprema Líder Real" do Egipto há uns 3.500 anos. A regente na menoridade do enteado Tutmósis impôs-se como faraó e mudou o nome para Hatshepsu, que é a versão masculina do mesmo título ("Supremo Líder Real").

Fontes: Daily Mail.co.uk/Website /históricas...

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project