MÚSICA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Vinicius Saramento traz sua guitarra de 7 cordas a Cabo Verde 04 Dezembro 2018

O Centro Cultural Brasil-Cabo Verde celebrará, no próximo dia 07, os seus 10 anos, num concerto que terá no Palácio da Cultura Ildo Lobo, na Praia. Promovido pela Embaixada de Brasil, o certame contará com a participação especial de pelo menos de 10 solistas e está projectado para ser uma oportunidade única de presenciar um diálogo inédito entre as tradições "guitarrísticas" dos dois países. Mas o destaque vai para o guitarrista brasileiro Vinicius Sarmento com o seu violão de sete cordas e do mestre Manuel de Candinho considerado como um dos expoentes máximos em termos da execução de instrumentos musicais tradicionais em Cabo Verde.

Vinicius Saramento traz sua guitarra de 7 cordas a Cabo Verde

Segundo a organização, antes do concerto do dia 7, Vinicius Sarmento realiza residência artística com guitarristas cabo-verdianos convidados pelo mestre Manuel de Candinho. «A atividade, que reunirá mais de dez músicos e instituições locais, incluirá um dia de “ensaio aberto ao público”, previsto para o dia 6 de dezembro, no Nice Kriola. O objetivo é proporcionar uma ocasião de intercâmbio, estimular diálogos musicais que aproximem ainda mais os músicos dos dois países».

Mas há muita expectativa pelo violão de sete cordas do Brasil.“Por parte dos guitarristas cabo-verdianos, há muita curiosidade pelo violão brasileiro de 7 cordas”, observa Manuel de Candinho, sugerindo uma eventual afinidade do instrumento com os géneros musicais cabo-verdianos.

É que, dentre os instrumentos musicais “abrasileirados”, o violão de 7 cordas é mais do que um simples instrumento. «Representa uma linguagem e um estilo musical, tornou-se imprescindível para o choro e para o samba. Sua história se confunde com a história de mestres como Raphael Rabelo e Yamandu Costa, mas também de jovens virtuoses como Vinicius Sarmento, que pela primeira vez vem a Cabo Verde para realizar residência artística e apresentar concerto», refere a Embaixada de Brasil.

Vinícius Sarmento e percurso

Conforme a referida representação diplomática, Vinícius Sarmento, violonista e compositor, nasceu na cidade do Recife numa família tradicionalmente musical. «O início no instrumento se deu de forma instintiva: aprendeu com seu pai os primeiros acordes, e, como é caraterístico dos músicos populares, em especial os do choro, solidificou sua base a partir dos encontros musicais que assiduamente frequentava. Aprimorou sua técnica tendo aulas de violão popular com seu tio Ewerton Brandão, o Bozó, no Conservatório Pernambucano de Música», lê-se na nota remetida a este jornal.

O documento acrescenta que, influenciado pelas gravações do padrinho Raphael Rabello e pelos encontros com o tio Bozó, Vinícius decidiu, aos 14 anos, comprar seu primeiro violão de 7 cordas. «Desde então, vem desenvolvendo uma linguagem própria, ao fundir a escola tradicional do choro, que tem como expoente máximo Dino 7 cordas, com uma abordagem mais moderna do instrumento, inaugurada pelo já citado Raphael Rabello e reinventada por Yamandu Costa».

A fazer fé na mesma fonte, apresentou-se pela primeira vez quanto tinha 10 anos, mas só em 2010, aos 18, iniciou sua carreira solo. «Desde então, Vinícius Sarmento já dividiu o palco com Dominguinhos, Yamandu Costa, Henrique Annes, Marcus Tardelli, Turíbio Santos, Nonato Luiz, Sebastião Tapajós, Luiza Possi, entre outros artistas relevantes da música brasileira», conclui a fonte referida.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade



Mediateca
Cap-vert

blogs

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project