DESPORTO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

“Comíamos arroz velho, em que encontra até larva morta”, recorda Lucas do Santos FC, clube de Rui Águas 23 Fevereiro 2020

Lucas Veríssimo, 24 anos, já atingiu um patamar que lhe permite evocar sem mágoa esses tempos duros da sua iniciação no futebol. O seu estatuto muito cresceu até chegar ao dia em que neste sábado, 22 de fevereiro de 2020, completou 150 jogos no Santos FC, treinado por Jesualdo Ferreira e Rui Águas, que foi selecionador de Cabo Verde.

 “Comíamos arroz velho, em que encontra até larva morta”, recorda Lucas do Santos FC, clube de Rui Águas

Em entrevista na véspera ao GloboEsporte.com, Lucas contou como nasceu o sonho: «Quando eu era criança, tinha um padrinho santista roxo, o Reinaldo. Quando completei oito anos, ainda criança, ele foi em uma loja e comprou um uniforme inteiro do Santos para mim. Camisa, shorts, meião. Me vestiu e disse: "um dia você vai jogar no Santos"».

Essa profecia de vida havia de orientar Lucas nos anos seguintes. Como quando foi chamado por um treinador para jogar numa escolinha de futebol, a Base José Bonifácio. Mesmo a viver os piores momentos da sua vida que o levaram quase a desistir,... resistiu.

“A gente tinha uma alimentação muito ruim. Comíamos aquele arroz velho, em que encontra até larva morta. Era aquele arroz com salsicha todos os dias. Feijão era muito raro. Tanto que, se pegar uma foto minha dessa época, eu era muito magro, até quando cheguei ao Santos ainda estava”.

“Eu não contava para os meus pais o que passava lá, se não eles me mandariam voltar para casa. Mantive em segredo e me apeguei ao meu sonho. Sabia que em algum momento iria chegar ao Santos”.

Entretanto, reconhece o grande sacrifício que era a mãe mandar-lhe 50 reais por mês, “para pegar condução e comer o lanche às vezes”. Uma proeza, já que ela tinha de acumular mais um trabalho “na roça como colhedora de laranja para me ajudar”.

Um ano e meio depois de sair de casa, Lucas Veríssimo convenceu-se de que a sua oportunidade nunca ia chegar. Desistiu da escola de futebol e voltou desiludido para casa.

“Para mim, ali tinha acabado. Já estava com 16 anos, não peguei o período de base e sabia que as coisas seriam muito difíceis”.

Mas uma surpreendente chamada telefónica mudou tudo: «Cinco dias depois de eu chegar em casa, me ligou uma pessoa que me conhecia lá do instituto de revelação. E me falou: "Sei da razão por que você saiu de lá, mas sabemos da sua qualidade e temos um teste para você na Linense"», lembra Veríssimo oito anos decorridos.

Aos 16 anos, a sua grande oportunidade começa nessa equipa de Lins, no interior de São Paulo. Lançado, o defesa central chegou a titular da Copa São Paulo, competição da qual podem participar jogadores com até 20 anos.

Profissionalizado na Linense, Lucas Veríssimo chamou a atenção do Santos FC, aos 17 anos. Era o sonho a realizar-se, esse chamamento do clube santista — como na profecia do padrinho!

Lucas Veríssimo diz , a provar a força da sua crença, que joga em memória do padrinho Reinaldo, que faleceu antes de o ver jogar pelo Santos.

Fontes: Referidas/ Relacionado: Rui Águas da seleção de Cabo Verde para o Santos, Brasil, 28.dez.019. Foto: Lucas Veríssimo, 24 anos, já atingiu um patamar que lhe permite evocar sem mágoa esses tempos duros da sua iniciação no futebol. O seu estatuto muito cresceu até chegar ao dia em que completou 150 jogos e sonha com o grande salto que quase deu em dezembro último quando esteve na mira do Torino. Mas estará para ser realizada em breve a sua expectativa de um contrato multimilionário num grande da Europa. LS

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project