REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Israel: 4ªs eleições em 2 anos, com sub-representação das mulheres — Nunca mais houve uma Golda Meir e Knesset continua desigual 09 Mar�o 2021

No próximo dia 23 acontecem as temidas quartas eleições em dois anos, desfeito que está o novo acordo de governação rotativa Gantz-Netanyahu arrancado a ferros no dia 7 de outubro. Neste ’Dia da Mulher’, uma perspetiva de equidade revela o quão desigual tem sido a disputa eleitoral no Estado de Israel, com cada vez menos mulheres, muito menos cabeças-de-lista, o que descarta a emergência de uma sucessora da Golda Meir.

Israel: 4ªs eleições em 2 anos, com sub-representação das mulheres — Nunca mais houve uma Golda Meir e Knesset continua desigual

Golda Meir orgulho nacional. O Estado de Israel orgulha-se de Golda Meir, o ícone internacional da liderança política no feminino.

Mas depois do extraordinário papel que ela teve na condução do governo entre 1969 e 197..., nunca mais houve uma mulher em cargos políticos cimeiros. O Estado de Israel deu passos atrás: de três lideranças femininas de peso — Tzipi Livni (Hatnua), Shelly Yachimovich (Trabalhista) e Zehava Gal-On (Meretz) — em 2013 passou para uma única, de um partido que minguou.

Meio século depois, há mulheres em altos cargos no sistema judicial, em que a atual presidente do Supremo, Esther Hayut, tem várias antecessoras; na economia com várias administradoras da banca e finanças; e até no militar, como aponta uma articulista do Al-Monitor.

Mas na política, a situação das mulheres de Israel é pouco produtiva e assim vai continuar, como mostram as listas da eleição do dia 23. "Estamos tão sub-representadas no Knesset (parlamento). É frustrante a posição não elegível que as mulheres têm nas listas", dizem as israelitas ouvidas pela imprensa no ’Dia Internacional da Mulher.’

A única exceção nessa representação parlamentar (vide a referência supra) é a do Partido Trabalhista, liderado pela deputada Merav Michaeli. Mas o partido de Golda Meir tornou-se um partido minoritário sem potencial para eleger quem chefiará o governo.

Israel não é exceção

Mantém-se a sub-representação feminina atual na governação, como se constata em fontes online.

As honrosas exceções incluem a presidente Tsai Ing-Wen, chefe de Estado e de governo da República de China-Taiwan desde 20 de maio de 2016; a chanceler alemã Angela Merkel, desde 22 novembro de 2005; mais uma dezena em países de reduzida dimensão.

— -

Fontes: Times of Israel/N Y times/ Haaretz/ Jerusalém Post/ Washington Post. Relacionado: Israel: Netanyahu e Gantz assinam novo acordo para evitar 4ªs eleições em 18 meses —Ultraortodoxos obstaculizam luta anti-Covid, 08.out.020; Israel: Netanyahu e Gantz assinam termos de governação rotativa — Acordo de rivais para combater pandemia, 22.abr.020; Israel: Netanyahu convidado a formar governo, Gantz recusa partilhar poder com ‘Bibi arguido’, 26.set.019. Fotos: Netanyahu, cada vez mais à direita, lidera o Likud e tornou-se o mais longevo primeiro-ministro de Israel. Nunca mais se repetiu o histórico feito de 1969: o Partido Trabalhista elegeu Golda Meir a primeira e única primeira-ministra de Israel (a terceira em todo o mundo, após a indiana Indira Gandhi, em 1966, e, no Sri Lanka, Sirimavo Bandaranaike, em 1960).

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project